Divulgação
Divulgação

Após Mundial de Kazan, brasileiros melhoram tempos no José Finkel

Troféu por equipes da natação é disputado na sede do Pinheiros

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

17 Agosto 2015 | 20h41

Na primeira competição de natação depois do Pan de Toronto e do Mundial de Kazan, os principais atletas brasileiros conseguiram melhorar seus tempos na piscina do Clube Pinheiros, onde começou nesta segunda-feira o Troféu José Finkel, o Campeonato Brasileiro Absoluto de Natação. E os bons tempos geraram espanto, até porque a preparação foi feita visando aos outros dois torneios.

"Com esse tempo que fiz eu conseguia chegar à final do Mundial", contou Guilherme Guido, vencedor dos 100 m costas. Ele fez 53s36, marca melhor do que obteve na Rússia. "Não esperava um tempo desses. Já vim para cá relaxado, mas concentrado, pois estou pensando nas férias depois dessa competição. O resultado mostra que estou focado", afirmou.

Ele conquistou pontos importantes para o Pinheiros, pois o Finkel é uma competição de clubes de natação. Os resultados também não garantem índice olímpico. "É um torneio importante para os clubes e para nós no nível pessoal. É realmente impressionante como se consegue ir melhor em um torneio do que em outro. Ainda não decifrei o segredo", comentou.

Guido caiu na piscina sem fazer a barba, o que não é comum porque os atletas de ponta costumam raspar os pelos para diminuir a resistência na água. Quem também apareceu barbudo foi Nicolas Oliveira, do Minas. E mesmo assim fez sua melhor marca no ano nos 200 m livre. "Eu não raspei, não fiz a barba, não dormi direito e mesmo assim fiz um bom tempo. Natação não é uma ciência exata", disse.

Nicolas reconhece que não teve o desempenho que esperara nos Jogos Pan-Americanos de Toronto e que no Mundial ficou a desejar em termos de melhor marca. "Aqui consegui o melhor tempo que tive na temporada inteira. Isso dá um estímulo para a Olimpíada", garantiu o atleta de 27 anos.

Quem também se surpreendeu com o tempo na prova dos 200 m livre foi Manuella Lyrio, do Pinheiros, que chegou na ponta com 1min58s65. "Fiquei muito satisfeita, não esperava esse tempo", afirmou. Todos são unânimes ao dizer que a maratona de competições das últimas semanas poderiam atrapalhar o desempenho no Finkel.

Os principais atletas foram para Toronto, no Canadá, no início de julho, para a disputa do Pan. Depois, foram para Kazan, na Rússia, para a disputa do Mundial. Para Bruno Fratus, que ajudou sua equipe a chegar na frente no revezamento 4 x 50 m livre, não é uma situação fácil. "Viemos de duas competições grandes, em continentes diferentes. Ficamos muito tempo no avião nos últimos dias", explicou.

Ele não se importou com a ausência de Cesar Cielo da competição. O recordista mundial está com uma lesão no ombro e está tendo de fazer fisioterapia. "A natação brasileira não se resume ao Cesar. Não faz diferença, não sinto falta dele aqui, pois tem o Marcelo (Chierighini), o Nicholas (Santos)", disse, lembrando que ele teve pouco contato com Cielo em Kazan. "Ele estava bem quieto, se deu uns dois ois durante a competição foi muito."

Ainda nesta segunda-feira, Joanna Maranhão ficou em primeiro lugar nos 1.500 m, à frente de Poliana Okimoto, segunda colocada. Já no revezamento 4 x 50 m livre feminino, Minas ficou em 1º.

Nesta terç-afeira, o Finkel terá as provas de 200 m peito masculino e feminino, 100 m borboleta masculino e feminino, e 1.500 m livre masculino. As eliminatórias serão disputadas às 10h e as finais ocorrem no mesmo dia, a partir das 18h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.