Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Após ouro na Olimpíada, Sarah Menezes exalta superação e equilíbrio

Atleta entrou para a história ao ser a primeira mulher brasileira a conquistar o ouro no judô

AE, Agência Estado

28 de julho de 2012 | 13h22

SÃO PAULO - Após fazer história com a conquista da medalha de ouro na categoria até 48kg do judô da Olimpíada de Londres, Sarah Menezes destacou a superação e o equilíbrio emocional como principais trunfos em sua caminhada até o topo do pódio neste sábado. A brasileira destacou a importância do seu enorme feito, pois o Brasil nunca havia obtido antes um medalha dourada olímpica no judô feminino, ressaltando que "esse ouro está realmente elevando esse nosso esporte para frente".

A judoca disse que o papel da técnica da seleção feminina de judô, Rosicleia Campos, e também de sua psicóloga foram essenciais durante as suas lutas, pois ela admitiu que a ansiedade estava atrapalhando o seu desempenho. "Foi fundamental a minha cabeça, graças à Luciana, minha psicóloga, que me ajudou muito. Tive duas coisas na hora da luta: uma tranquilidade muito grande e ao mesmo tempo uma raça e uma grande vontade de ganhar", afirmou, em entrevista ao SporTV.

A brasileira também reconheceu que ainda não se deu conta da grandiosidade do seu feito. "Você não sabe a sensação que estou sentindo agora. Estou muito leve agora, estou flutuando. Ainda não caiu a ficha completamente", reforçou, admitindo também que no início da sua carreira não esperava que poderia chegar tão longe no judô.

"Na verdade, quando iniciei no judô não imaginava que poderia ganhar um ouro, pois entrei no esporte por brincadeira. Mas, depois que participei dos Jogos de Pequim (em 2008), eu imaginava sim chegar a um pódio olímpico. Obrigado a todos e parabéns a todos nós", comemorou.

Sarah ainda destacou que o ouro olímpico deverá fazer a sua carreira deslanchar de vez e também ajudará a melhorar a sua situação financeira e da sua família. "No início sofri principalmente na parte financeira. Saí de Teresina (PI) e lá não é fácil", disse, em entrevista para a TV Record, na qual depois projetou: "O que eu tenho que dizer é que a nossa vida vai mudar, vai melhorar tudo. Tenho que agradecer a todos e tudo vai melhorar".

Hoje consagrada no topo da história do judô feminino do Brasil, Sarah um dia precisou driblar o preconceito dos próprios pais, que consideravam este esporte muito masculino. E, em meio a este processo, o técnico Expedito Falcão, que a treina desde os 9 anos de idade, foi fundamental para a sua continuidade na modalidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.