Jeff Pachoud/AFP
Jeff Pachoud/AFP

Após prata e bronze, Isaquias Queiroz ainda espera o ouro

Brasileiro busca vaga na final do C2 1.000 ao lado do companheiro Erlon de Souza na condição de favorito

Fábio Grellet e Raphael Ramos, enviado especial ao Rio, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2016 | 05h00

“Agora só falta o ouro!”, gritava um grupo de torcedores enquanto Isaquias Queiroz falava com os jornalistas à beira da Lagoa Rodrigo de Freitas após conquistar a medalha de bronze. Nesta sexta-feira, o canoísta busca vaga na final do C2 1.000 ao lado do companheiro Erlon de Souza na condição de favorito. Os dois foram campeões mundiais da prova no ano passado.

“Espero que possamos ganhar a medalha de ouro. Acho que temos chance porque estamos muito forte. Espero que Erlon também tenha a chance de ganhar uma medalha olímpica. Ele merece”, disse Isaquias.

O baiano fez questão de destacou o entrosamento da dupla. “Erlon trabalhar na minha frente na C2 e me empurra. Ele me dá entusiasmo e evoluí muito graças a ele”, disse.

Mesmo com a sensação de dever cumprido pelas duas medalhas conquistadas nas provas individuais, Isaquias quer mais uma medalha como forma de homenagem ao amigo. “A confiança está muito alta, a gente treinou muito, a gente sabe da possibilidade de medalha. Já fiz meu trabalho, agora quero ir para cima para ajudar meu amigo a fazer história e ganhar medalha também, e de ouro, que é essa que a gente merece.”

Nem mesmo a rotina de disputas diárias ao longo da semana preocupa o canoísta. Para ele, inclusive, isso pode lhe ajudar na disputa por mais uma medalha. “Quanto mais a gente compete, mais ganha ritmo. A gente treina, mas quando compete é diferente”, explicou.

Outro diferencial será o apoio da torcida, que tem comparecido em bom número no Estádio da Lagoa para acompanhar as provas de canoagem de velocidade. “A gente tem que se esforçar ainda mais”, disse.

DOPING

Para facilitar a vida de Isaquias e Erlon, ontem veio a notícia de que o canoísta Serghei Tarnovschi, da Moldávia, foi flagrados no exame antidoping pelo uso de substâncias proibidas. Assim, o atleta está suspenso das eliminatória de hoje do C2 de 1.000 metros.

O atleta havia ficado com o bronze na canoagem de velocidade, na prova C1 de 1.000 metros, prova na qual Isaquias ficou com a prata na terça-feira, e era considerado um forte rival para a dupla brasileira.

A Federação Internacional de Canoagem não informou a substância proibida encontrada na amostra de Tarnovschi. Mas, sem um rival de peso, aumentam as chances de a dupla brasileira classificar para a final de sábado com um bom tempo e depois confirmar o favoritismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.