Após reclamação do Vôlei Nestlé, CBV veta árbitro na semifinal

O Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) decidiu não dar margem a polêmicas e afastou o árbitro de linha Anésio Leão, acusado pelo Vôlei Nestlé de comemorar o ponto final do Rexona-Ades na segunda partida da semifinal da Superliga Feminina, sexta-feira à noite, no Rio.

Agência Estado, Estadão Conteúdo

27 de março de 2016 | 10h42

"A CBV apura o ocorrido no encerramento do segundo jogo da semifinal da Superliga Feminina.

Enquanto os fatos são apurados e esclarecidos, a CBV informa que o referido juiz de linha não participará da terceira e decisiva partida do playoff semifinal. A instituição reitera a confiança no trabalho imparcial e na credibilidade da arbitragem na Superliga e ressalta que não houve influência da arbitragem no resultado final da partida", diz a nota da CBV.

No sábado, a equipe de Osasco publicou nota oficial criticando a postura do árbitro de linha, que dá um leve "soco no ar", como se comemorasse a vitória do time carioca que empatou a série. O terceiro jogo, segunda-feira, novamente no ginásio do Tijuca, decide o finalista.

"A Superliga é o campeonato de maior relevância do vôlei brasileiro e o clássico envolvendo os times de Osasco e do Rio de Janeiro é o que desperta maior interesse entre torcedores e mídia. A equipe de arbitragem tem a obrigação de agir com imparcialidade em todos os momentos e uma atitude como esta, em um jogo decisivo, gera suspeitas e coloca em dúvida a credibilidade da competição", reclamou o Vôlei Nestlé.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.