Após reconhecer Kosovo, COI minimiza protesto sérvio

Após reconhecer Kosovo, COI minimiza protesto sérvio

Thomas Bach confirma recomendação do reconhecimento integral de Kosovo que poderá participar de sua 1ª Olimpíada no Brasil

Estadão Conteúdo

23 de outubro de 2014 | 14h46

O reconhecimento provisório de Kosovo por parte do Comitê Olímpico Internacional (COI) gerou revolta da Sérvia. O país chegou a apresentar um protesto formal contra a certificação kosovar como nação independente e se disse preocupado com "um precedente de proporções perigosas" aberto pelo COI, mas o presidente da entidade, Thomas Bach, veio a público para minimizar a repercussão.

"Eu não estou preocupado sobre este tipo de ramificação", declarou Bach em uma teleconferência da Suíça. "Vão haver diferentes graus de felicidade em diferentes partes do mundo, disto eu tenho certeza", completou.

Bach explicou que o COI seguiu o regulamento olímpico e negou qualquer preocupação com a posição da Sérvia, da Rússia ou de qualquer nação oposta à independência kosovar. O presidente ainda reiterou que a entidade vai mesmo recomendar o reconhecimento integral de Kosovo em uma reunião que acontecerá em dezembro, em Mônaco.

Na última quarta-feira, o COI anunciou o reconhecimento provisório a Kosovo, o que gerou reações negativas imediatas na Sérvia. A medida faz com que o país ganhe o direito de disputar as provas classificatórias para os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Se a recomendação for aceita e o reconhecimento integral acontecer, Kosovo poderá participar de sua primeira Olimpíada no Brasil.

O Comitê Olímpico Sérvio disse que "condena fortemente" a decisão do COI e, por isso, enviou protesto formal à entidade. Além disso, informou que vai tomar medidas condizentes com a política oficial adotada pelo país em relação a Kosovo e com as recomendações dos governantes locais.

Kosovo declarou unilateralmente sua independência da Sérvia em 2008 e desde então luta para ser aceito como país independente, enquanto os sérvios se recusam a aceitar a separação e brigam para mantê-lo como parte de sua nação.

"Nós fizemos amplas consultas durante um certo tempo sobre este assunto", garantiu Bach. "Eu acho que é de reconhecimento geral a autonomia do COI sobre este respeito e também é de reconhecimento geral que tomando esta decisão nós estamos apenas aplicando o regulamento olímpico."

Apesar de ter se declarado independente em 2008, Kosovo possui um Comitê Olímpico nacional desde 1992 e conta com 30 federações nacionais afiliadas, sendo que 13 delas são de esportes olímpicos. Além disso, é reconhecido como país por 108 dos 193 membros das Nações Unidas. Os sérvios, por sua vez, apontam que os kosovares não podem ser reconhecidos pelo COI justamente por não serem membros das Nações Unidas.

Tudo o que sabemos sobre:
COIKosovoSérviaThomas Bach

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.