Ed Sloane/WSL
Ed Sloane/WSL

Após título mundial, Italo Ferreira agora mira o ouro olímpico

'Fico feliz de poder representar o Brasil na Olimpíada, era um dos meus objetivos no ano', comenta o surfista

Paulo Favero, Estadão Conteúdo

21 de dezembro de 2019 | 09h00

Além do título mundial de surfe, conquistado com a vitória na etapa de Pipeline do Circuito Mundial, sobre Gabriel Medina, Italo Ferreira festejou a possibilidade de representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. Sua meta, agora, é conquistar o lugar mais alto do pódio em Chiba, no litoral do Japão, onde serão realizadas as disputas.

"Fico feliz de poder representar o Brasil na Olimpíada, era um dos meus objetivos no ano. Quero fazer parte disso e estar no Japão para dar o meu melhor e trazer uma medalha de lá, quem sabe uma de ouro", disse o atleta, que estará junto com Gabriel Medina, Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb.

A etapa de Pipeline do Circuito Mundial de Surfe definiu os últimos classificados da temporada para os Jogos Olímpicos e o 11 vezes campeão Kelly Slater não conseguiu a vaga pelos Estados Unidos.

Pelo ranking masculino no Circuito Mundial se classificaram ainda Jordy Smith (África do Sul), Kanoa Igarashi (Japão), Jeremy Flores e Michel Bourez (França) e Owen Wright e Julian Wilson (Austrália). A boa fase do Brasil na modalidade empolga o Comitê Olímpico do Brasil, que vê nos representantes nacionais boas chances de medalha em Tóquio. Na competição que serviu de termômetro para os Jogos de Tóquio, Italo ficou com a medalha de ouro e Medina foi bronze no ISA Games. No feminino, Silvana Lima foi prata.

COMEMORAÇÃO

Após sua façanha no Havaí, Italo demorou a dormir por causa da adrenalina da disputa. A emoção era grande até pela forma como se tornou campeão: ganhando a etapa de Pipeline e passando por baterias contra Slater e Medina, dois especialistas naquelas ondas tubulares.

"Antes de começar o evento, fiquei olhando para o troféu, pensando se eu conseguiria ganhar, e ele agora está aqui nas minhas mãos. Foi um ano realmente diferente e só tenho que agradecer a Deus por tudo", comentou o surfista.

Italo lembra que a rivalidade saudável com Medina e Filipe Toledo, outro grande surfista brasileiro, faz com que ele tenha de se esforçar cada vez mais nas competições. "O Gabriel e o Filipe são, de certa maneira, responsáveis pelo o que eu sou hoje. Eu dedico todos os meus dias, os meus treinos, para ganhar desses caras", avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.