Marcos de Paula| Estadão
Marcos de Paula| Estadão

Após trocar de partido, George Hilton deixa Ministério do Esporte

PRB, antiga legenda do ministro, ficará com a pasta

Marcelo de Moraes, Estadão Conteúdo

23 de março de 2016 | 10h17

George Hilton vai deixar o cargo de ministro do Esporte. Uma negociação política entre o Palácio do Planalto com seu antigo partido, o PRB, custou seu cargo, mesmo ele prometendo lealdade à presidente Dilma Rousseff. A pasta será comandada por Ricardo Leyser, integrante do PCdoB, mas afinado com o comando nacional do PRB. Ele é o responsável por cuidar dentro do governo da Olimpíada, e ocupava a secretaria executiva do Ministério do Esporte, mas foi transferido recentemente por Hilton para a Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento.

O restante da pasta continuará sob o controle do PRB, que poderá ganhar mais postos dentro da Esplanada, como compensação por recuar da decisão de romper com o governo. Oficialmente, o partido se tornou independente, mas voltou a se alinhar informalmente.

Na pratica, o troca-troca do comando do Esporte mostra a confusão que o governo atravessa internamente por conta da crise política. Insatisfeito com o governo, o PRB anunciou na semana passada que abandonaria a base e entregaria o ministério. Fiel à presidente, George Hilton anunciou que não concordava com a decisão e deixaria o partido, permanecendo no cargo e se filiando ao Pros. Assim, acreditava que manteria o comando do ministério.

Preocupado com o desembarque do PRB, o que reforçaria o apoio ao impeachment dentro do Congresso, o governo procurou o comando do partido e acertou uma negociação para que a legenda se mantivesse na base. Para não desagradar o grupo que é contra a presidente, o PRB decidiu liberar seus integrantes para apoiar o impeachment se quiserem, abrindo a questão dentro da legenda. Além disso, como o ministro será do PCdoB, o partido não recua da promessa pública de entregar o comando da pasta.

Com isso, decidiu-se que Hilton, que rompeu com o PRB, teria que ser ejetado do ministério. Como Leyser já cuida da Olimpíada do Rio dentro do governo, a solução não causaria problema de continuidade na organização dos Jogos, uma vez que ele acompanha diretamente esses preparativos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.