Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Após um ano, cidade de São Paulo terá mais uma pista de atletismo 'oficial'

Pista do Centro Olímpico do Ibirapuera será reaberta em janeiro com certificação classe 1 da federação mundial

Gonçalo Junior e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2019 | 15h12

Após pouco mais de um ano, a cidade de São Paulo terá mais uma pista de atletismo “oficial”. A prefeitura promete entregar no início de janeiro a pista do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), no Ibirapuera, reformada com recursos do Governo Federal da ordem de R$ 3,8 milhões. Este é um dos dois endereços da capital com a classificação classe 1, a maior concedida pela IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo), o que permite a realização de provas dos Jogos Olímpicos, Paraolímpicos e Campeonatos Mundiais, além da homologação de tempos para eventuais recordes.

No ano passado, a pista do COTP estava esburacada, irregular e sem condições de uso. O contrato de reforma foi assinado em julho, mas questões burocráticas levaram o início efetivo para novembro. A obra foi interrompida em dezembro por conta do decreto municipal que cancelou o empenho da obra, ou seja, a prefeitura simplesmente parou a reforma. O reinício foi em julho. A placa de identificação da obra, flagrada pelo Estado, mostra que a previsão inicial de conclusão era maio deste ano. A Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Seme) garante que as etapas do cronograma não estão atrasadas e que a obra será entrege em 30 dias úteis.

A reforma inclui remoção do piso antigo e adaptação total às normas da IAAF, como adequação da base de asfalto, do projeto da pista e revisão da drenagem e compra de acessórios certificados.

Gerido pela secretaria, o COTP é um dos poucos espaços públicos – leia-se gratuitos – voltados para o esporte de alto rendimento no País. O centro oferece treinamento com especialistas em dez modalidades (boxe, futebol, ginástica artística, handebol, judô, luta olímpica, natação, atletismo, basquete e vôlei). Quinze competidores formados no COTP disputaram os Jogos Olímpicos do Rio, entre eles, o oposto Wallace, medalha de ouro no vôlei masculino, e metade do time de futebol feminino. Hoje, o centro atende cerca de mil atletas. As atividades são relevantes porque a formação de atletas de alto nível em locais públicos é uma raridade no Brasil.

Sem a pista, a prefeitura firmou uma parceria com o Núcleo de Alto Rendimento Esportivo de São Paulo (NAR), que funciona no Centro Esportivo Joerg Bruder, em Santo Amaro, para oferecer uma alternativa aos atletas. Iniciativa dos empresários Abílio Diniz e João Paulo Diniz e de Irineu Loturco, especialista em treinamento esportivo, o núcleo funciona a partir de uma parceira com o Instituto Península.

Com a reinauguração, a cidade de São Paulo pretende atrair torneios de grande porte, algo que se tornou raro nos últimos anos. “Nossa intenção é que ela seja uma das três principais pistas de atletismo do País”, afirma o secretário municipal Carlos Bezerra Junior.

A cidade possui outras duas pistas certificadas, mas com algumas diferenças. Uma delas é a do Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro. O outro endereço é o Estádio Ícaro de Castro Melo, no Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, conhecido como Ibirapuera. Em reforma, a pista só está liberada para treinamentos e eventos de pequeno porte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.