Apostas crescem e preocupam o esporte

Suspeita de manipulação de jogos aumenta na mesma proporção

Eduardo Maluf, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2007 | 00h00

Estrelado por Al Pacino, Tudo Por Dinheiro, longa americano lançado no início de 2006, mostra a enorme dimensão que o mundo das apostas esportivas ganhou nos últimos anos. A modalidade cresceu assustadoramente com a criação e a difusão da internet, e preocupa autoridades. O filme relata a rotina de assessores esportivos, que tentam prever resultados de jogos - no caso, futebol americano - e dão consultoria aos apostadores. A assessoria esportiva não é uma criação do cinema. Trata-se, hoje, de rentável profissão em muitos países, como nos Estados Unidos.São incontáveis os sites para jogos: bet-at-home, bwin, 888.com, betfair, partybets, ...O consagrado bwin (antigo bet and win, "aposte e ganhe", em português), por exemplo, traz inúmeras facilidades ao internauta, como opções de vários idiomas e um tutorial explicando detalhadamente os procedimentos de registro e execução das apostas.A lista de esportes em que se pode apostar é extensa. Ontem, quem entrou no bwin pôde investir (ou arriscar) seus recursos em partidas como Municipal x Petapa, pelo Campeonato Guatemalteco de futebol, Hassania Agadir x FUS Rabat, pela Superliga de Marrocos, ou Santo André x Ipatinga, pela Série B do Brasileiro. No Brasil, esse tipo de jogo é proibido.O site bwin é o maior do mundo no ramo. De origem austríaca e com ações na Bolsa de Viena, patrocina nada menos que o Milan, do craque Kaká, e põe seu nome em outros esportes, como motociclismo e basquete.Fazer apostas é legal em muitos países. Não há, assim, nenhum crime em jogar as fichas numa equipe de basquete, futebol, vôlei, futebol americano ou num tenista. A questão é outra. Há alguns anos, elas passaram a interferir diretamente em resultados de eventos esportivos, por causa de apostadores e esportistas desonestos. E o Brasil não saiu ileso. Quem não se lembra de Edílson Pereira de Carvalho? O árbitro paulista manipulou partidas do Campeonato Brasileiro de 2005 depois de ter recebido ofertas de apostadores para favorecer determinados times.As suspeitas crescem no mundo todo e atingem outras modalidades. A bola da vez é o tênis. Alguns atletas estão na mira da ATP (Associação dos Tenistas Profissionais) por estarem supostamente entregando jogos em troca do dinheiro de apostadores. Muitas vezes, o prêmio dado pelos homens das apostas é maior que a premiação de torneios. O russo Nicolay Davydenko é o mais investigado. Perdeu alguns jogos em que levava amplo favoritismo. E, curiosamente, em dias em que sites registravam fabulosas quantias de apostas. Apostas em seus adversários.MUDANÇAS NA NBAA direção da NBA (Liga Norte-Americana de Basquete) constatou, após investigação interna, que seus 56 árbitros apostam em algum tipo de jogo, como cassino ou pôquer, atitude que contraria regulamento da entidade. David Stern, dirigente da liga, anunciou, ontem, que a proibição a apostas em esportes segue valendo, mas decidiu liberar os juízes para tentar a sorte em casinos ou modalidades do gênero.No início do ano, o ex-árbitro Tim Donaghy terá de depor em um tribunal federal dos Estados Unidos por ter apostado em partidas da NBA em que trabalhou. Os americanos querem saber se ele interferiu ou não nos resultados. As autoridades prometem investigar com cuidado as denúncias no esporte. E punir os culpados. É o mínimo que o torcedor espera...

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.