Apreensão. E Juliana vai bem na areia

Atleta volta a jogar vôlei de praia após dois meses da lesão no joelho

O Estadao de S.Paulo

31 de julho de 2008 | 00h00

Dois meses depois de machucar o joelho direito, o que poderia deixá-la de fora dos Jogos de Pequim, a jogadora de vôlei de praia Juliana deu sinais de que está completamente recuperada. Ontem, ela e a companheira Larissa disputaram as duas primeiras partidas depois da lesão, sofrida na França. Venceram facilmente as adversárias no Grand Slam de Klagenfurt, na Áustria. Primeiro, derrotaram as tchecas Novakova e Tobiasova por 2 sets a 0 (21/16 e 21/17) e, logo depois, passaram pelas italianas Gioria e Momoli por 21/16 e 21/12. "Pude mostrar nesses dois primeiros jogos que estou preparada para Pequim", disse Juliana, que utilizou uma joelheira especial. Mesmo já podendo atuar, a atleta ainda precisa passar por sessões diárias de fisioterapia por precaução.O equipamento especial e o tempo de treinamento perdido para a fisioterapia parecem não ter prejudicado a atuação da atleta. "No primeiro jogo, Juliana sacou bem, fez aces e virou todas as bolas importantes", elogiou a companheira Larissa. "Na segunda partida, jogamos também concentradas e tudo deu certo."A primeira vez que a dupla brasileira pisou na areia depois da lesão de Juliana foi cercada de apreensão. "Logo que entramos em quadra, todo mundo ficou olhando para ela com aquela expectativa para sua atuação nos seus primeiros jogos", contou Larissa. "E ela mostrou a todos sua força e garra, além do trabalho de recuperação feito por toda nossa comissão técnica." ADVERSÁRIAS EM PEQUIMHoje, a dupla encara as brasileiras Cris e Andrezza, que defendem a Geórgia com os nomes de Saka e Rtvelo. De acordo com o calendário divulgado pela Federação Internacional de Vôlei (FIVB), elas serão também as primeiras adversárias na Olimpíada. "Conhecemos muito bem as duas, pois elas treinam em Fortaleza. Não me lembro se nos enfrentamos em competições internacionais, mas já jogamos contra elas no Brasil", afirmou Juliana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.