Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Apresentado, estatuto do COB permite que qualquer brasileiro dispute presidência

Mudanças precisam ser aprovadas pelo Comitê Olímpico Internacional

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

13 Novembro 2017 | 12h26

O novo estatuto do Comitê Olímpico do Brasil (COB) vai permitir que qualquer brasileiro com mais de 18 anos concorra ao comando da entidade e dará aos atletas um terço do total de votos nas assembleias gerais. Além disso, serão criados um conselho de administração, um de ética e um fiscal. O COB também passará a ter um diretor geral (CEO) remunerado, mas para isso o presidente da entidade, Paulo Wanderley Teixeira, já adiantou que "alguém precisará sair" para não aumentar os gastos com pessoal.

+ Fredericks diz que pagamento não tem relação com compra de votos para a Rio

+ Por contenção de despesas, Paulo Wanderley promove corte no COB

O novo estatuto será votado no próximo dia 22, mas nesta segunda-feira a comissão estatuinte apresentou o documento às confederações. Até a próxima sexta, elas poderão apresentar sugestões.

As duas demandas mais exigidas por atletas desde a renúncia de Carlos Arthur Nuzman - que deixou a entidade no mês passado após 22 anos de presidência em meio a suspeitas de participação em esquema de compra de votos para o Rio sediar os Jogos do ano passado - serão previstas no estatuto. Uma delas é que terão direito a um terço dos votos nas assembleias gerais, que terão 36 votantes. Atualmente, esse número é de apenas um voto num universo de cerca de 40.

+ COI retira parcialmente a suspensão imposta ao Comitê Olímpico do Brasil

Outro ponto cobrado era que qualquer brasileiro maior de idade pudesse concorrer à presidência. Até hoje, apenas membros do COB podiam apresentar chapa. A própria apresentação de candidaturas será facilitada: quem tiver interesse deverá ter o apoio de três membros da assembleia geral - atualmente, são exigidos 10 apoios.

O Conselho de Administração será formado por 15 pessoas: o presidente e o vice do COB, o membro brasileiro no Comitê Olímpico Internacional (COI), oito representantes de confederações (exigência da Carta Olímpica), dois representantes dos atletas e dois independentes.

As mudanças no estatuto agora passarão pelo crivo do COI, e depois serão votadas na assembleia geral. Se aprovadas, passarão a valer em meados de dezembro. Em março, o novo vice e os membros dos conselhos serão eleitos. Um dispositivo do estatuto prevê sua revisão a cada dois anos.

Mais conteúdo sobre:
COB [Comitê Olímpico Brasileiro]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.