Aproveitem, rapazes!

TUTTY HUMOR

O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2012 | 03h06

Michael Phelps está no caminho certo quando diz que foi a Londres para se divertir, mas de todos os superatletas lá reunidos para vencer ou vencer o que parece estar mais próximo de tal objetivo é Usain Bolt. O cara vira lenda, mas não perde a piada.

O velocista jamaicano seguido de perto pelo nadador americano são esperanças de conciliação em Londres entre o doloroso esforço de ganhar e o prazer de estar numa Olimpíada para quebrar, além de marcas, paradigmas.

Sabe, por exemplo, aquele modelo de superação de quase todo atleta que abre o berreiro na hora do Hino Nacional? Com eles, esse tipo não se cria! Cá pra nós, tem coisa mais chata que a celebração do sofrimento?

Desde que chegaram ao Reino Unido, Phelps e Bolt vêm procurando, cada um a seu modo, desviar a glória que os espera da via crúcis do herói olímpico.

Pelo que se viu na entrevista coletiva de cada um, a dupla busca a felicidade na escalada do pódio.

Mal comparando, entre os brasileiros com chances de medalha em prova individual, o mais próximo desse estado de espírito é o Diego Hypólito.

O César Cielo se leva a sério demais. Repara só!

Nossa praia

Brasileiras e americanas do vôlei de praia têm bons motivos para não trocar o biquíni por short e camiseta previstos pela nova regulamentação dos Jogos Olímpicos para a prática do esporte. Pois se nesta praia já não tem mar, francamente, se tirar o traje de banho, vira "vôlei de areia", né não?

Vidão

Como já aconteceu quando foi ser técnico da seleção da África do Sul, tudo o que Joel Santana queria agora era o cargo de Carlos Alberto Parreira, membro de um grupo de estudos da Fifa nas Olimpíadas. Tem coisa melhor?

Mais comedido

Está tudo bem, pelo menos até agora, com o príncipe Philip, marido de Elizabeth II. No Jubileu da Rainha, ele baixou hospital logo no comecinho da festa.

Terceira visão

Se fosse atleta da Coreia do Norte, ninguém acreditaria na história do sul-coreano recordista mundial de tiro com arco: com 10% da visão no olho esquerdo e o dobro disso no direito, o arqueiro é tecnicamente cego.

Bico

Já tem brasileiro em Londres cobrando 2 pounds nas calçadas da Trafalgar Square para ensinar gringo a dançar a coreografia de "Eu quero tchu, eu quero tcha".

Dor de cotovelo!

"FOI UMA ESPÉCIE DE CRIANÇA

ESPERANÇA BRITÂNICO!"

Comentário desdenhoso entreouvido na redação de Esportes da TV Globo ao final do espetáculo de abertura dos Jogos Olímpicos de Londres.

Ganhar é irritante

Promessa de campanha

Dilma Rousseff promete, se reeleita for em 2014, dispensar dublê para chegar ao estádio olímpico do Rio de paraquedas em 2016, como na cena que simulou o salto da rainha Elizabeth II na cerimônia de abertura da Londres 2012. A presidente quer o capitão Nascimento no papel de James Bond.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.