Aquecendo os motores

Boleiros

Neto, jfneto@estadao.com.br, O Estadao de S.Paulo

14 de janeiro de 2008 | 00h00

Caros leitores, penso que um comentarista de futebol, profissão que exerço nos dias atuais, tem sempre de estar atualizado. Precisa ficar atento às principais notícias dos clubes. Pessoalmente, gosto de ver como determinada equipe se prepara. Digo isso principalmente na área tática. E, para tal, neste final de semana estive acompanhando a preparação de dois grandes times do futebol paulista: o Corinthians e o São Paulo. Ambos estão começando a aquecer os motores para a estréia no Campeonato Paulista.No sábado, em Itu, o Timão fez o último jogo-treino antes do duelo inaugural contra o Guarani. O adversário era a Inter de Limeira. Antes de começar, pude aproveitar para conhecer um pouco o Mano Menezes. Ficamos mais ou menos 15 minutos conversando. Vi o quanto é inteligente e profissional. O novo técnico corintiano quer trabalhar a identificação do jogador com o clube, coisa que há muito tempo não vejo no alvinegro. Quanto ao jogo em si, mais do que o placar de 3 a 0, o time me pareceu muito bem fisicamente. Correu acima da média para o tempo tão escasso de pré-temporada. Analisando individualmente, a dupla de zagueiros, Chicão e William, chega sempre inteira no lance e está bem posicionada. Quem chamou minha atenção também foi o recém-chegado André Santos, lateral que avança com qualidade e chuta muito a gol. Mas de todos, para mim, o destaque foi o Eduardo Ratinho. Ele parece ter voltado melhor fisicamente da Rússia. Está até mais forte. Acredito que dará a volta por cima na temporada.* * * * *A meu ver, o ponto fraco corintiano pode ser mais uma vez na armação das jogadas ofensivas. Enquanto Acosta não se recupera, a responsabilidade do meio-campo ficará a cargo do Marcel. Contra a Inter, repetiu as atuações dos tempos de Palmeiras e Paulista, e decepcionou. A torcida e o próprio técnico querem ver aquele meia aguerrido que jogou no Grêmio. Vamos ver qual estilo ele terá a partir da próxima quarta-feira. * * * * *Já no dia seguinte, no CCT da Barra Funda, foi a vez de o São Paulo encarar treino contra o São Bernardo. Foram duas partes interessantes. Na primeira, quando jogaram os titulares, o placar apontou 1 a 0. Adivinhem quem fez o gol? É, ele mesmo, o Adriano. Se esse menino tiver a cabeça no lugar aposto novamente no São Paulo para vencer a Libertadores. Até porque o meio-campo tricolor está bem compacto. O Fábio Santos se encaixou perfeitamente com o Hernanes e o Jorge Wagner. Isso somado à velocidade do Dagoberto vai dar o que falar. Na segunda metade do treino, quando foi a vez dos reservas atuarem, Borges se destacou. Ele tem tudo para ser o 12º jogador são-paulino. Aliás, coisa que já fez no ano passado, quando, mesmo no banco, foi o artilheiro do time na temporada.* * * * *No tempo em que eu jogava, não tinha muito moral para falar de indisciplina. Fazia muita besteira. Mas as pancadas na vida calejam a gente. Até em cima disso hoje tenho propriedade para falar do assunto. Estou dizendo isso porque o Fábio Ferreira, zagueiro do Corinthians, é bom jogador. Tem técnica, força e sabe antecipar-se ao adversário. Mas o que ele precisa ter a cabeça no lugar. Se o Fábio não aproveitar a excelente oportunidade que o Timão está lhe dando, talvez nunca mais consiga atuar em um time grande. Abra o olho, garoto! COLABOROU RENATO NALESSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.