Árabes voltam ao ataque, mas Luis Fabiano vai ficar

Al-Rayyan, do Catar, ofereceu 6,5 milhões pelo jogador, mas o São Paulo já descartou a oferta pelo atacante

O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2012 | 03h07

O São Paulo rejeitou mais uma vez uma proposta para vender Luis Fabiano para o exterior. O Al-Rayyan, clube do Catar, voltou a tentar uma aproximação com atacante e ofereceu 6,5 milhões para tirá-lo do Morumbi, oferta já descartada.

É a segunda tentativa dos árabes em menos de um mês; há algumas semanas o mesmo clube procurou Juvenal Juvêncio para uma conversa e nem sequer conseguiu marcar uma reunião. O presidente considera o jogador a única peça intocável do elenco e não admitia vendê-lo após o grande esforço empenhado em repatriá-lo do Sevilla.

A notícia ganhou força na imprensa árabe e o próprio site da liga catariana acertou o anúncio, desmentido rapidamente pela assessoria de imprensa do jogador. Recentemente o Al-Rayyan contratou outro atacante brasileiro: Nilmar, que já fez parte dos planos do São Paulo.

Receber propostas por Luis Fabiano tem sido rotina no Morumbi. Antes do fechamento da janela de transferências, o atacante escutou uma oferta de um clube brasileiro e também negou. Pessoas próximas ao atleta dizem que os valores eram os mais vantajosos para o atleta. De olho no futuro, ele vem tentando há algum tempo uma reunião com Juvenal, mas o presidente acredita que ele quer solicitar sua transferência e tem evitado o contato para que ele esfrie a cabeça e esqueça qualquer pensamento que implique sua saída.

'Estardalhaço'. O namoro entre São Paulo e Ganso continua morno. O clube espera uma sinalização do Santos para saber se faz uma proposta pelo atleta ou não, mas Juvenal ainda não está convencido de que ele seja um investimento adequado. Um diretor do clube foi cauteloso ao falar das conversas. "Existe muito estardalhaço. Conversa existe, mas acho que há um pouco de exagero no que foi falado."/ F.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.