Arábia Saudita derruba proibição de mulheres na Olimpíada de Londres

Pela primeira vez o país será representado em uma competição olímpica por uma esportista mulher

AE, Agência Estado

24 de junho de 2012 | 18h17

LONDRES - A Arábia Saudita anunciou neste domingo que irá apoiar a participação de mulheres sauditas nos Jogos Olímpicos de Londres, neste ano. Desta forma, pela primeira vez o país será representado em uma competição olímpica por uma esportista mulher.

O anúncio da decisão inédita foi feito neste domingo, pela BBC, rede britânica de rádio e televisão, que citou um comunicado emitido pela embaixada saudita na Grã-Bretanha. Até então a Arábia Saudita não permitia a participação de suas cidadãs na Olimpíada.

Em toda a história dos Jogos, três países nunca enviaram atletas mulheres aos Jogos: Catar, Brunei e Arábia Saudita, todos países onde prevalece a religião islâmica. Os catarianos já haviam anunciado que quebrariam essa barreira em Londres e agora os sauditas seguem pelo mesmo caminho.

Em abril, o rei Abdullah da Arábia Saudita havia afirmado que a proibição seguiria em prática. Depois disso, foram seis semanas de negociações diplomáticas, que culminaram com o comunicado emitido neste domingo. Chegou-se até a se falar em exclusão dos sauditas dos Jogos por preconceito contra as mulheres.

A decisão, de acordo com a Arábia Saudita, foi tomada em comum acordo pelo rei, o seu herdeiro real, o ministro do exterior e a cúpula clerical do país, entre outros. A decisão foi justificada como mais um passo rumo à abertura política e social.

Só uma mulher saudita, porém, está classificada para competir em Londres. É Dalma Rushdi Malhas, amazona de 20 anos, que irá participar da prova de saltos. O Comitê Olímpico da Arábia Saudita, porém, se colocou aberto a convites.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.