Árbitro tem no histórico confusão em jogo na Vila

Concentrado desde a última sexta-feira em um hotel de São Paulo, o árbitro do clássico, Cléber Wellington Abade, foi blindado pela Federação Paulista às vésperas da partida. O excesso de cuidados se justifica pela polêmica que envolveu Paulo César de Oliveira na semifinal entre Palmeiras e Corinthians. Para piorar, Abade tem no currículo uma atuação contestada justamente em um Corinthians x Santos, no Campeonato Brasileiro de 2005.

, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2011 | 00h00

Naquele ano, o clássico teve de ser refeito por conta do escândalo de arbitragem que marcou a edição. Escolhido para o jogo, Abade expulsou dois santistas e no fim assinalou um pênalti duvidoso em Nilmar, que selou a vitória corintiana por 3 a 2. Pouco depois, torcedores do Santos invadiram o campo e Abade chegou a ser agredido.

Para evitar novo clima tenso, o presidente do Santos Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro mostrou apoio à escolha do árbitro. "O juiz é um ser humano, é passível de erro. Temos de depositar confiança para que faça um bom jogo." Já o presidente corintiano Andrés Sanchez aproveitou para alfinetar o Palmeiras. "Se marcar um pênalti errado a favor do Santos vou reclamar, mas não vou dizer que fui roubado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.