Arena Corinthians avança nas obras das arquibancadas provisórias

A montagem no setor Sul do Itaquerão é a mais adiantada. Veja fotos do estádio

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2014 | 18h25

SÃO PAULO - As arquibancadas provisórias da Arena Corinthians começam a tomar forma, até mesmo no lado em que caiu a peça que provocou na morte de dois operários em novembro do ano passado. Até agora, a montagem no setor Sul é a mais adiantada, mas ainda deve subir mais 15 metros de altura. Já no setor Norte, onde aconteceu o acidente, tem pouco mais da metade do tamanho do outro lado, mas o ritmo de obras está acelerado.

Os assentos provisórios são de suma importância, porque é somente por causa deles que o estádio em Itaquera, na zona leste de São Paulo, poderá receber a abertura da Copa - ou seja, com as novas cadeiras, a capacidade da arena corintiana saltará de 48 mil lugares para 67.800, dentro do mínimo exigido pela Fifa para sediar o jogo inaugural.

Nas arquibancadas provisórias da Arena Corinthians, são 17,6 mil cadeiras nos setores Sul e Norte (8.800 em cada lado), 1.200 no Leste e outros mil no Oeste. Os assentos terão cor branca, como no restante do estádio. Quem está fazendo a obra é a Fast Engenharia. O custo de R$ 38 milhões está sendo bancado pela Ambev, que acertou uma parceria com o governo do Estado, e a previsão de entrega das arquibancadas provisórias é para o final de abril - após a Copa, elas serão desmontadas, com duas mil toneladas de material deixando Itaquera.

Neste sábado, o time do Corinthians fará o primeiro treino no novo estádio, que tem 98% de obras concluídas, e os jogadores poderão ver perto o andamento do trabalho dos operários. A construtora Odebrecht prometem deixar o canteiro de obras do estádio em 15 de abril, mas a Fifa já prevê a entrega apenas em maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.