Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Arenas vão bem, mas o resto preocupa

Maior parte dos estádios do Mundial está dentro do cronograma; obras de infraestrutura continuam sendo o grande problema

ALMIR LEITE, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2012 | 03h09

SÃO PAULO - Obras em algumas arenas que evoluíram de maneira satisfatória; em outras, nem tanto. Greves, problemas em licitação, retirada de projeto da Matriz de Responsabilidade, aprovação pelo BNDES de empréstimos para as intervenções em alguns estádios e liberação efetiva do dinheiro para outros...

Enquanto o País desviava a atenção para a Olimpíada de Londres, nas últimas semanas os preparativos para a Copa do Mundo de 2014 - e para o evento-teste do próximo ano, a Copa das Confederações - prosseguiram em meio a algum clima de otimismo, expressado principalmente nos discursos oficiais, e também de preocupações e polêmicas. E houve nova colisão entre o governo brasileiro e a Fifa.

Desta vez, porém, a entidade piscou. A polêmica da vez foi motivada por uma declaração de Joseph Blatter, após encontro com a presidente Dilma Rousseff em Londres, dizendo que havia cidades no "vermelho'' na preparação, ou seja, atrasadas.

O governo não gostou, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, cobrou a Fifa sobre as declarações e no mesmo dia Blatter mudou a cor, e o tom, do discurso, garantindo que tudo caminha bem.

No entanto, balanço dos movimentos recentes nas 12 sedes da Copa mostra que não é bem assim. Há fatores positivos, mas alguns negativos insistem em permanecer, embora o tempo esteja passando rapidamente.

SÃO PAULO

As obras de construção do Itaquerão estão ultrapassando os 50%, num ritmo considerado bom pelos especialistas. O BNDES já aprovou o empréstimo dos R$ 400 milhões da linha de crédito aberta para a arena. E as obras de mobilidade urbana no entorno finalmente devem começar a sair do papel. Na última quarta-feira, a Justiça liberou o pacote de obras viárias para a região de Itaquera.

Serão quatro intervenções, orçadas em R$ 257,7 milhões, que visam a melhorar o sistema viário da região. A Dersa, responsável pelas obras, espera iniciá-las em duas semanas.

RIO DE JANEIRO

As obras do Maracanã avançaram (62% de conclusão, índice do último dia 10). Mas nova polêmica foi criada esta semana, por conta de ação civil pública, na Justiça Federal, pedindo o ajustamento do projeto de reforma do estádio, para que 4% dos assentos sejam destinados a pessoas com deficiência (o atual reserva apenas 285 dos 79.313 assentos, ou 0,35%).

A ação pede até mesmo a suspensão das obras e dos repasses do BNDES em caso de descumprimento. Esta semana, o Maracanã fechou um contrato com valor estimado em R$ 17 milhões com um fornecedor de cadeiras.

O Rio é uma das cidades em que o aeroporto preocupa. No Galeão, a instalação dos sistemas elétricos no terminal 2 está em processo de licitação.

BELO HORIZONTE

O Mineirão é a segunda arena com as obras mais adiantadas (70% de conclusão). No dia 6, o BNDES liberou mais R$ 65 milhões para a obra, perfazendo um total de R$ 325 milhões recebidos pelo consórcio Minas Arenas, dos R$ 400 milhões de financiamento solicitados.

As obras de mobilidade continuam sendo executadas.

BRASÍLIA

O prazo de entrega do Estádio Nacional foi adiado, de dezembro para abril de 2013. A alegação dos responsáveis é que a suspensão, pelo Tribunal de Contas, dos pregões das cadeiras e do placar eletrônico (esse já foi liberado) atrapalhou. O gramado será plantado apenas em março.

Em relação às obras de mobilidade urbana, na quinta-feira o governo do Distrito Federal retirou o trecho do VLT que ligaria o aeroporto ao metrô da relação das obras para a Copa, pois já não há mais como esta ficar pronta até o Mundial.

Assim, a única intervenção de mobilidade na cidade será a DF-047, que liga o aeroporto às vias de acesso ao centro e está estimada em R$ 60 milhões. Mas ainda não foi feita a licitação.

SALVADOR

Com obras em bom ritmo, a Fonte Nova recebeu boa notícia há dez dias: o Tribunal de Contas da Bahia recomendou ao BNDES que libere recursos para a arena, após concluir que não há irregularidades no projeto executivo.

As intervenções de infraestrutura na capital baiana, porém, ainda não decolaram.

RECIFE

A Arena Pernambuco enfrentou no início do mês nova greve de trabalhadores, por melhorias salariais e nas condições de trabalho. Durou dois dias. As obras estão chegando à metade, mas a Fifa ainda demonstra preocupação e está indecisa em confirmar o estádio como local de jogos da Copa das Confederações.

CURITIBA

A Arena da Baixada recebeu "empurrões'' importantes. No dia 8, o BNDES aprovou financiamento de R$ 131 milhões para a reforma do estádio. E a Câmara Municipal deverá votar nos próximos dias projeto de lei enviado pela prefeitura que amplia de R$ 90 milhões para R$ 123 milhões a participação do município na engenharia financeira criada para pagar as obras - o governo estadual vai investir R$ 60 milhões.

Além disso, na sexta-feira o governo federal autorizou que sejam concedidos benefícios fiscais para a arena.

Na infraestrutura, está em fase final a ampliação do pátio para aviões do Aeroporto Afonso Pena.

CUIABÁ

A capital do Mato Grosso é responsável pela maior polêmica do momento envolvendo obras da Copa. O contrato de construção do VLT ( Veículo Leve sobre Trilhos) está sob suspeita de licitação fraudulenta. Antes do estouro do escândalo, ele foi suspenso pela Justiça Federal no dia 7, sob o argumento de que não há possibilidade de a obra ficar pronta dentro do prazo (antes da Copa) e nem manter os custos estabelecidos. O governo cassou a liminar na quinta-feira.

As obras na Arena Pantanal seguem em ritmo considerado aceitável, mas o prazo de entrega foi esticado em sete meses, para julho de 2013.

PORTO ALEGRE

A reforma do Beira-Rio ainda está longe da metade, mas a construtora garante que o prazo de entrega (dezembro de 2013) será obedecido.

Na semana passada, foram assinados contratos para execução de duas obras de mobilidade urbana. O investimento será de mais de R$ 28 milhões.

FORTALEZA

O Castelão é de longe o estádio com obras mais avançadas (83%). Deve ser mesmo entregue em dezembro e terá jogos a partir de janeiro.

No aeroporto, na semana passada foram retomadas obras de recapeamento asfáltico da pista de pousos e decolagens. As quatro obras de mobilidade urbana, após a troca do consórcio responsável pelos trabalhos, deverão começar no próximo mês.

NATAL

A Arena das Dunas continua atrasada em relação ao cronograma desejado, apesar da adoção de quatro turnos de trabalho. No Aeroporto Augusto Severo foram entregues, no dia 1.º, as novas salas de embarque e desembarque e 12 novos balcões de check in.

MANAUS

Na quarta-feira, o TCU recomendou ao BNDES que libere o que resta (R$ 312 milhões) dos R$ 400 milhões pedidos para financiamento, depois que foi corrigido um sobrepreço de R$ 86,5 milhões no projeto executivo da Arena da Amazônia. As obras de mobilidade preocupam.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa 2014Rio 2014

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.