Argentina: a melhor, mas com falhas

Equipe de Maradona tem problemas defensivos: zagueiros e laterais lentos e atacantes que não ajudam a marcar

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2010 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL

PRETÓRIA

Apesar das três vitórias da Argentina na primeira fase, o técnico Diego Armando Maradona sabe que precisa resolver problemas em sua equipe para alcançar o sonhado tricampeonato mundial na África do Sul. O grande potencial ofensivo tem encoberto as falhas apresentadas em cada setor do time.

O principal deles é a lentidão demonstrada pela dupla de zaga. As apresentações de Demichelis e Samuel ou Burdisso frente a rivais de segunda linha, como Nigéria, Coreia do Sul e Grécia foram repletas de insegurança. "Se quisermos chegar mais longe na competição, teremos de consertar estas falhas", admitiu o volante e capitão Mascherano. "Toda equipe precisa ajudar para que o adversário não se aproxime com facilidade de nossa área."

As declarações de Mascherano são endereçadas aos atacantes Higuaín e Di Maria, pouco atuantes na marcação de saída de bola dos oponentes. Tevez ? a Argentina joga com três jogadores na frente ? é o único que combate quando não está com a posse de bola. "Sabemos que cada um precisa se doar ainda mais a partir dos mata-matas", afirmou o atacante Higuaín, autor de três gols contra a Coreia do Sul.

Nas oitavas de final, domingo, a Argentina encara o México, um adversário mais forte que os enfrentados na primeira fase e que conta com jogadores perigosos na ataque, como Giovani dos Santos, Blanco, Franco e Vera.

Companheirismo. A ajuda dos atacantes argentinos na marcação é importante também para aumentar a produção de um dos líderes do time: o experiente volante Verón. O veterano mostra cansaço nas etapas finais das partidas, o que sobrecarrega Mascherano na marcação. Verón ficou fora do jogo contra a Coreia do Sul e Maxi Rodriguez ganhou a vaga no meio de campo. O time melhorou na marcação, mas perdeu na ligação da defesa com o ataque, uma das qualidades do titular Verón.

Já as laterais são um problema crônico. Gutierrez e Heinze são zagueiros improvisados. Não têm velocidade para acompanhar alas rápidos. E com um detalhe: Gutierrez foi muito mal nas duas primeiras partidas. Levou cartão amarelo em ambos os jogos e ficou fora do duelo com a Grécia. Otamendi entrou em seu lugar, mas não foi bem e deve seguir na reserva.

"Confio nas minhas 23 feras. Começamos o Mundial com nota 6,5 e vamos atingir o máximo", garantiu Maradona, sem nunca criticar seus jogadores pela imprensa. O treinador não admite ver alguém questionar seus atletas, mesmo eles apresentando falhas gritantes e cobrado por todos, torcedores ou jornalistas.

Como se vê, apesar de estar com 100% de aproveitamento, com três vitórias, sete gols marcados e apenas um sofrido, o time de Maradona ainda precisa melhorar bastante para superar seus obstáculos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.