Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Argentina vive dilema na final

Federação quer jogos contra Espanha em Buenos Aires, mas equipe bate o pé por Córdoba

Chiquinho Leite Moreira, O Estadao de S.Paulo

23 de setembro de 2008 | 00h00

A Argentina foi designada como cabeça-de-chave 1 do Grupo Mundial do próximo ano. Mas classificada para disputar a final deste ano, contra a Espanha, na primeira decisão que jogará em casa, vive um dilema: atuar no saibro do Parque Rocas, de Buenos Aires, como querem os dirigentes, ou numa quadra de carpete coberta, em Córdoba, como sugerem os jogadores e o técnico Alberto Mancini.A decisão da Davis-2008 será de 21 a 23 de novembro e já atrai o interesse até da torcida brasileira. Seria uma oportunidade de ver de perto o atual número 1 do mundo, o espanhol Rafael Nadal, em uma decisão grandiosa. Sem contar ainda com a presença de jogadores como David Nalbandian, Juan Martin Del Potro, Guillermo Cañas, David Ferrer e Feliciano Lopez.A definição do local dos jogos promete ásperas discussões. A Associação Argentina de Tênis (AAT) fez do Parque Roca, em Buenos Aires, o seu porto seguro. O complexo pertence à empresa francesa L?Egalite e pode receber 14 mil pessoas. Os jogadores argentinos, "os heróis" que venceram a Rússia por 3 a 2, além do técnico Mancini, querem a decisão contra a Espanha em Córdoba (800 km de Buenos Aires), no Ginásio Orfeu, com capacidade para 11 mil pessoas e em quadra de carpete.Mancini está batendo o pé. Lembrou que os espanhóis perderam três decisões da Davis em quadras rápidas, em 1965, 67 e 2003, todas para a Austrália, jogando na grama. A Argentina já esteve em duas disputas de título e perdeu em 1981 para os Estados Unidos e em 2006 para a Rússia, mas esta será a primeira vez que jogam em casa e pode escolher as condições mais convenientes, como tipo de piso, bolinha e local.Até Rafal Nadal entrou na polêmica. "Seja lá onde for, acho que vai ser uma decisão bonita", disse. "Sei que a torcida pode ser mais um obstáculo, mas os argentinos têm também bons jogadores, só não posso acreditar que não queiram jogar no saibro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.