Argentino ataca árbitra em jogo na Itália e é suspenso do rúgbi por 3 anos

Bruno Andrés Doglioli, de 33 anos, pode até encerrar a carreira após a punição

Estadão Conteúdo

16 de dezembro de 2016 | 12h21

O argentino Bruno Andrés Doglioli, de 33 anos, foi suspenso do rúgbi por três anos depois de atacar uma árbitra no último fim de semana. O jogador do Vicenza deu um forte golpe pelas costas na juíza Maria Beatrice Benvenuti no confronto diante do Valsugana, domingo. Julgado, foi punido com o duro gancho que pode, inclusive, encerrar sua carreira.

A pena imposta pela Federação Italiana de Rúgbi foi a mais dura da entidade nos últimos 20 anos. "A atitude do jogador do Vicenza contra a árbitra da partida é inaceitável e o juiz que definiu a sanção reiterou sua firme posição contra o abuso verbal ou físico a árbitros", justificou.

No lance, é possível ver Benvenuti acompanhando a movimentação da bola quando Doglioli a atinge com um "tackle" pelas costas. A árbitra puniu o jogador apenas com um cartão amarelo e seguiu no jogo. No entanto, após o apito final, precisou ser levada ao hospital, onde foi diagnosticada com uma lesão cervical pelo impacto do golpe.

Antes mesmo da punição da federação italiana, o Vicenza já havia suspendido preventivamente Doglioli. "Foi um incidente que não teve justificativa. Foi um momento de perda de controle de um jogador que, em décadas de carreira, sempre se comportou correta e profissionalmente", explicou o clube.

Doglioli não explicou o motivo do golpe na árbitra, que atuou no Rio no rúgbi sevens na Olimpíada. "Bruno Doglioli, ciente da gravidade do que aconteceu, quer primeiro enviar o mais sincero arrependimento à árbitra Maria Beatrice Benvenuti. Ao mesmo tempo, se desculpa com seus companheiros, membros do clube, patrocinadores e torcedores pelo incidente, que pode danificar a imagem deste maravilhoso esporte", comentou o Vicenza.

Tudo o que sabemos sobre:
OlimpíadaRugbi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.