''''Arrume a mala: você vai para o São Paulo''''

Lateral Éder leva susto ao saber que trocaria o Noroeste pelo Morumbi

Giuliano Villa Nova, O Estadao de S.Paulo

23 de fevereiro de 2008 | 00h00

Éder levou um susto, depois da vitória de sua ex-equipe, o Noroeste, sobre o Marília, por 3 a 2, na quinta-feira à noite. "Arrume a mala, porque você vai para o São Paulo amanhã", disseram os procuradores do lateral-direito, ainda nos vestiários. "Foi uma surpresa. Sabia que havia uma proposta, mas não pensava que era para atuar no São Paulo", admitiu o jogador de 22 anos, apresentado ontem como novo reforço para a Taça Libertadores. O lateral foi inscrito na Libertadores com a camisa 21, que pertencia ao meia Souza, transferido para o Paris-Saint Germain. No Estadual, ele não pode voltar pelo São Paulo. Revelado pelo Grêmio Barueri, e com passagens pelo Fluminense e Inter de Limeira, Éder chegou demonstrando otimismo. "Sou rápido, trombador, bom na marcação e subo bem de cabeça", elogiou-se. "Sei que a briga pela posição será difícil, mas quero fazer o melhor pelo clube", disse.O empresário de Éder é o ex-jogador Marcelo Dijan, o mesmo que representa o Lyon francês no Brasil e facilitou a contratação do volante Fábio Santos, em janeiro, pelo São Paulo. O lateral assinou contrato de empréstimo até 31 de dezembro - tem seus direitos econômicos presos ao Noroeste até 2011.Curiosamente, o destino de Éder poderia ter sido outro. Em 2007, depois de disputar o Estadual pelo time de Bauru, recebeu proposta do Corinthians. "Mas a negociação não deu certo, porque sofri uma lesão no púbis e fiquei sete meses parado", contou, satisfeito por não ter de disputar a Série B do Brasileiro este ano. "Foi bom não ter ido. Deus escreve certo por linhas tortas", observou.Depois da boa exibição na vitória por 2 a 1 sobre o Paulista, na quinta-feira, o volante Zé Luís ainda ontem festejava o fato de ser considerado o novo polivalente do São Paulo. "É cedo para dizer isso. Sou volante, atuei como lateral para ajudar o time, e felizmente consegui."Para Zé Luis, atuar como lateral-direito não foi novidade. "No São Caetano, jogávamos com três volantes e eu era o que saía mais e fazia o trabalho pela direita", observou. "Se tiver de atuar novamente por ali, encaro", avisou. Ele, porém, deve voltar para a reserva, contra o Noroeste, domingo, no Morumbi.LIBERTADORESHá grandes chances de o time começar a Libertadores - quarta-feira, contra o Nacional de Medellín, na Colômbia - com apenas dois atacantes (Adriano e Borges) à disposição do técnico Muricy Ramalho. Ontem, os médicos vetaram Aloísio, com dores no púbis, e Dagoberto, com uma lesão no músculo adutor da coxa direita, para o compromisso de domingo. Dagoberto também não atua contra o Nacional, e Aloísio tem poucas chances de ir de à Colômbia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.