Reprodução/ Twitter
Reprodução/ Twitter

As fotos mais vistas do esporte em 2016

As imagens da tragédia da Chapecoense foram as mais visitadas no ESTADO no ano; Jogos do Rio também estão na lista

O Estado de S. Paulo

28 de dezembro de 2016 | 17h08

O ano de 2016 foi bastante movimentado do começo ao fim, no mundo e principalmente no Brasil. O País esteve no centro das atenções por pelo menos duas ocasiões no âmbito esportivo: ao receber os Jogos Olímpicos Rio-2016, e com a tragédia envolvendo a Chapecoense.

Os temas citados acima estão dentre os que tiveram as imagens mais vistas no Estado durante o ano. A galeria com as imagens da repercussão do acidente aéreo do time catarinense alcançou mais de 1 milhão de visualizações. As três compilações de imagens referentes à Olimpíada, se somadas, ultrapassaram 750 mil cliques.

O terrível acidente ocorrido com a Chapecoense no último dia 29 de novembro vitimou 71 pessoas, dentre elas, quase toda a delegação da equipe catarinense, deixando apenas três sobreviventes - o goleiro Jackson Follmann, o zagueiro Neto e o lateral Alan Ruschel.

Sobreviveram apenas outros três passageiros: o jornalista Rafael Henzel, além de Erwin Tumiri e Ximena Suárez, dois tripulantes da companhia aérea boliviana LaMia, que está sendo investigada. Autoridades bolivianas e colombianas já informaram que o plano de voo estava ilegal e a quantidade de combustível era considerada insuficiente para completar o percurso conforme sugerem as regras de aviação.

Os maiores destaques das fotos 'olímpicas', por sua vez, foram os ocorridos nos Jogos dentro e fora das disputas, como o caso envolvendo o nadador Ryan Lochte, os micos protagonizados por atletas e políticos, além, é claro, da cerimônia de abertura da maior competição esportiva do mundo.

Se a Olimpíada esteve cercada de problemas antes, durante e até depois da sua realização, ao menos teve uma festa de abertura digna de elogios, contando com as presenças de ícones brasileiros como Paulinho da Viola, Elza Soares, Zeca Pagodinho e Gisele Bündchen.

Um dos maiores destaques dos Jogos esteve, no entanto, fora das arenas esportivas. Ryan Lochte, um dos principais nadadores norte-americanos depois do recordista Michael Phelps, se envolveu em um escândalo ao depredar um posto de gasolina junto a três companheiros de delegação.

Na ocasião, Lochte afirmou ter sido assaltado à mão armada. No entanto, as investigações deram conta de que o atleta e seu grupo estavam alcoolizados e promoveram a arruaça no estabelecimento. Ele nunca admitiu ter mentido, mas sim 'exagerado' ao relatar o ocorrido. No entanto, os outros nadadores admitiram a culpa no caso para a polícia, e informaram que o atleta estava tentando salvar seu namoro após ter mentido para a parceira dizendo que estava na vila olímpica durante o ocorrido.

Se a participação do nadador norte-americano nos Jogos do Rio acabou sendo destaquenas páginas policiais, a Olimpíada teve outros 'micos', com destaque para a polêmica declaração do prefeito Eduardo Paes, que afirmou que colocaria um 'canguru' na Vila Olímpica para que a delegação australiana se sentisse mais confortável.

Outros destaques negativos da competição foram a baixa presença de público, mesmo com alegados 84% de ingressos vendidos, a falta de comida para os fãs em alguns dias nos Jogos, e a água verde da piscina do Parque Aquático Maria Lenk.

Para fechar o ano de forma mais amena, outro destaque foi a eleição dos 20 escudos de clubes mais bonitos do mundo, segunda galeria mais vista no Estado no ano. E curiosamente o vencedor da eleição, feita por um jornal inglês, foi um time brasileiro, o São Paulo.

Equipes como Roma, Liverpool, PSG e Juventus também integram a lista, além de nomes menos conhecidos do grande público, como o Kaizer Chiefs, da África do Sul, o Coventry City, da Inglaterra, e o KFF Gent, da Bélgica.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.