ASA celebra o melhor momento de sua história

Atual campeão alagoano quer coroar temporada com um inédito título da Série C

Anelso Paixão, O Estadao de S.Paulo

23 de agosto de 2009 | 00h00

Ao contrário de seus novos companheiros de Série B, o ASA de Arapiraca (AL), famoso por ter aprontado uma das maiores zebras do futebol nacional ao eliminar o Palmeiras na Copa do Brasil de 2002, viveu um ano de ouro. Venceu o Campeonato Alagoano no primeiro semestre e brilhou na Série C, garantindo o acesso. Agora, sonha alto: quer o título também."No ano passado, batemos na trave nas duas competições. No Estadual, deixamos o título escapar quando tínhamos grande vantagem e, depois, na Série C, fomos eliminados pelo Campinense, que acabou subindo", conta o presidente Celso Marcos. A história começou a mudar em 2007, quando, de forma inesperada, Marcos foi eleito para comandar o clube. "Eu comecei como médico do ASA, em 2005. Fui participando da diretoria e, em 2007, meu nome foi indicado como de consenso entre as várias correntes", conta. "A princípio eu não queria aceitar porque era muito novo, tinha apenas 30 anos, mas acabei sendo convencido."O acesso foi o presente do clube à cidade de Arapiraca, a 124 quilômetros da capital, Maceió, e com cerca de 210 mil habitantes. "Nós temos um planejamento de trabalho e procuramos honrar nossos compromissos. Também não temos o hábito de ficar trocando de treinador. O Vica está com a gente há mais de um ano e vai permanecer para o próximo", afirma o presidente.Para chegar à Série B, Marcus calcula que o ASA tenha gastado até R$ 900 mil, com uma folha salarial de R$ 150 mil/mês e salários que variam de R$ 2 mil a R$ 7 mil. "Tivemos patrocinadores, além da prefeitura e do governo do Estado. Mas, pelo menos uns 30% nós colocamos do bolso, não tem jeito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.