Associação britânica finaliza impasse dos Jogos de 2012

Entidade retirou processos legais contra o Comitê Organizador por disputa pelos lucros da Olimpíada

AE-AP, Agência Estado

19 de abril de 2011 | 09h33

O conflito financeiro entre a Associação Olímpica Britânica (BOA, na sigla em inglês) e os organizadores dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, foi oficialmente encerrado com a definição de um acordo entre as partes e a retirada de uma ação judicial, o que havia sido sinalizado no início de abril que iria ocorrer.

A BOA retirou os processos legais contra o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de 2012 (LOCOG, na sigla em inglês) na Corte Arbitral do Esporte (CAS) por uma disputa pelos lucros da Olimpíada. O acordo foi anunciado nesta terça-feira e encerra o caso legal.

A BOA disse que o acordo "proporciona maior clareza dos acordos contratuais existentes e identifica áreas específicas de abrangência da associação entre o LOCOG e a BOA". Satisfeita a associação se concentra agora apenas na preparação para a Olimpíada. "[A BOA] Poderá concentrar completamente sua atenções nos nossos preparativos para apoiar a delegação britânica nos Jogos Olímpicos".

Apesar de ter firmado um acordo em 2005 em que obteria 20% dos lucros, a BOA afirmava que os Jogos Paraolímpicos, que costumam dar prejuízo, não foram levados em consideração. O Comitê Olímpico Internacional e LOCOG insistiam que os custos de ambos eventos deviam ser contabilizados, tal como foi feito em outras edições.

Segundo o acordo anunciado nesta terça-feira, qualquer distribuição do lucro será baseado nos resultados financeiros da Olimpíada e da Paraolimpíada, com a BOA recebendo os 20% previstos anteriormente. Porém, a LOCOG renunciará a sua taxa de royalty em dois itens não especificados de produtos ligados aos atletas britânicos. Além disso, o comitê dará a BOA a oportunidade de comprar ingressos adicionais para a Olimpíada, inclusive para atletas britânicos que competiram em Jogos anteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.