Alex Silva/AE - 13/2/2012
Alex Silva/AE - 13/2/2012

Assunção brilha e Zago comemora sua aposta

Volante foi contratado pelo Palmeiras graças à insistência de Antônio Carlos, quando ele era técnico da equipe

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2012 | 03h07

SÃO PAULO - Se hoje o Palmeiras tem como uma de suas maiores armas o calibrado pé de Marcos Assunção, deve muito ao esforço do ex-jogador e técnico da equipe, Antônio Carlos Zago. Foi ele quem acreditou e fez de tudo para que o presidente da época, Luiz Gonzaga Belluzzo, apostasse na contratação do volante.

Destaque do Grêmio Barueri, Assunção enfrentou grande resistência para chegar ao Palmeiras, em 2010. "Eu o indiquei por sua experiência e por conhecê-lo como pessoa e saber o quanto ele é profissional, já que havíamos trabalho juntos na Roma e na seleção brasileira", disse Zago. Mas essa amizade quase inviabilizou sua contratação.

"Existia a desconfiança pela idade dele (33 anos na época) e muita gente achava que eu estava indicando por ser meu amigo. Mas bati o pé, fiz questão de sua contratação e felizmente o Gilberto Cipullo e o Seraphim (Del Grande), que eram os diretores de futebol da época, acreditaram em mim e o resultado está aí", disse Zago.

A conversa entre Zago e Assunção foi fácil. O volante voltou ao Brasil após atuar por dez anos no exterior, sendo os últimos dois nos Emirados Árabes Unidos, o que fez ele 'sumir'. Exatamente por essa desconfiança, os clubes grandes se recusaram a lhe dar uma oportunidade e não restou outra alternativa a não ser ir para o Barueri. "Ele queria muito voltar a jogar em um time grande, principalmente em São Paulo, para ficar perto da família. Foi fácil convencê-lo a ir me ajudar no Palmeiras", explicou Zago.

Mas, apesar da confiança no treinador, Assunção teve que assinar contrato de apenas um ano. Se ele fosse mal, pelo menos não daria tanto prejuízo ao clube. O tempo passou e hoje o volante é referência na equipe. Zago não esconde o orgulho por ver sua aposta dando certo.

"No Brasil acham que jogador com mais de 30 anos está morto. O Assunção é uma prova do quanto jogadores mais experientes podem ajudar o grupo. Eu tenho o Paulo César, que tem 33 anos e é um dos destaques do meu time'', disse o ex-zagueiro, que comanda o Audax (antigo Pão de Açúcar), time da Série A-2 do Paulista. Paulo César é lateral-direito e já jogou no Fluminense, PSG e teve passagem pela seleção brasileira.

Outra 'descoberta' de Zago. O torcedor palmeirense tem outro motivo para agradecer a Zago. Além do que fez em campo e por ter levado Assunção para o Palmeiras, foi o treinador quem transformou Artur em lateral-direito. Quando dirigia o São Caetano, em 2009, ele decidiu olhar com mais atenção para um zagueiro que estava encostado, sem muito espaço: era Arthur.

"Vi que ele batia bem na bola e resolvi testá-lo na lateral. Deu certo", comemora o treinador.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolPalmeirasCampeonato Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.