Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Astro paraolímpico sofre a 1ª derrota depois de sete anos

Sul-africano Oscar Pistorius é superado por corredor americano nos 100 m e perde hegemonia que mantinha desde 2004

Amanda Romanelli, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2011 | 00h00

A prova dos 100m na classe T44 (amputados) era a mais esperada no Mundial Paraolímpico de Atletismo, em Christchurch. O Estádio Rainha Elizabeth II recebeu o seu melhor público em cinco dias de competição - cerca de 3 mil pessoas - e havia fila para a compra de ingressos uma hora antes da prova, que começou às 16h50 locais (1h50 de ontem, em Brasília). Muitos queriam ver, de perto, o que se anunciava: seria mesmo o fim da hegemonia de Oscar Pistorius?

Cada vez mais especialista nos 400 m, o sul-africano já contava com uma possível derrota na prova mais rápida de seu programa. Na Paraolimpíada de Pequim, em 2008, conquistou o ouro por apenas 31 centésimos de segundo, com vitória decretada graças ao auxílio do photo finish (análise das fotos da linha de chegada). Em Christchurch, a disputa foi ainda mais acirrada. E demorou uma eternidade - ao menos para uma prova que durou pouco mais de 11 segundos - para se saber o resultado.

Depois de uma largada tensa, em que o americano Jim Bob Bizzell queimou o tiro inicial e foi eliminado, o supercampeão sul-africano saiu da raia 3 em caçada ao americano Jerome Singleton, o homem que derrotou em Pequim e que corria na 5. Entre eles, o jovem brasileiro Alan Fonteles, de 18 anos.

Pistorius e Singleton passaram rigorosamente juntos na linha de chegada. Em silêncio, todo o estádio esperava as marcas oficiais no telão. Foram quase três minutos até a definição da primeira derrota do sul-africano em grandes eventos desde a Paraolimpíada de Atenas, em 2004.

Singleton largou melhor que Pistorius, mas viu o sul-africano crescer ao seu lado nos últimos metros da prova. O americano, então, não teve dúvidas: perdendo o equilíbrio, projetou o tronco para a frente e, literalmente, mergulhou na chegada. O photo finish, que mostrou a derrota de Singleton em Pequim, ontem garantiu a vitória histórica - ambos fizeram o tempo de 11s34.

"Ele é um fenômeno e mereceu a vitória", disse Pistorius. "Singleton vem melhorando seus tempos e está melhor a cada competição." Para o americano, foi a realização de um sonho. "É inacreditável. Tenho trabalhado muito para levar essa medalha para os EUA. Consegui na Nova Zelândia e não vejo a hora de repetir em Londres (na Paraolimpíada)." Singleton fez piada. "Pistorius ainda é o homem mais rápido sem pernas (tem o recorde mundial de 10s91), mas sou o homem mais rápido com uma perna só." Ele usa prótese apenas na perna direita, enquanto Pistorius é biamputado.

O photo finish também garantiu o bronze de Alan Fonteles, que por quase imperceptíveis milímetros superou o francês Arnu Fourie. Os dois terminaram a prova em 11s43. O brasileiro superou a eliminação nos 200m, em que queimou a largada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.