Ataque deixa de ser problema para Felipão

Com a chegada de Obina, a recuperação de Barcos e com outros jogadores do setor, técnico agora tem várias opções

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2012 | 03h07

Até pouco tempo, o Palmeiras sofria para ter um atacante de qualidade. Hoje, se dá ao luxo de poder deixar um bom jogador no banco de reservas. Com a chegada de Obina e com Betinho mostrando serviço, o técnico Luiz Felipe Scolari tem a famosa "boa dor de cabeça" para montar o ataque.

Hoje, contra o Bahia, a tendência é que Barcos - que volta após cirurgia de apêndice - e Obina atuem juntos, mesmo sendo de características bem parecidas.

Por saber que disputa posição com o artilheiro da equipe, Obina já se oferece para atuar um pouco diferente do que está acostumado. "Quando comecei no Vitória, jogava pelos lados do campo e trabalhando com meu companheiro que estivesse dentro da área. Não tem problema ter que jogar assim", disse.

Outra possibilidade de Felipão seria manter Mazinho no time e escolher entre Obina ou Barcos. Mas, como Valdivia está fora do jogo de hoje, machucado, a tendência é que o treinador recue Mazinho para o meio, sua posição de origem, e aposte na dupla à frente.

Obina disse que, durante os treinamentos nessa semana, Felipão conversou com Barcos e com ele e pediu que ambos se revezassem atuando fora da área. Com isso, nenhum dos dois seria sacrificado.

O treinador sempre disse que precisava de um atacante de área para a reserva de Barcos, por isso chegou Obina. Entretanto, a vontade em campo, os gols e o carinho dos torcedores podem ajudar o recém-chegado atacante a cavar sua vaga entre os titulares e fazer Felipão mudar de ideia.

Correndo por fora. Além dos três atacantes, outras opções no setor são Betinho e Maikon Leite. O primeiro pode ser útil dentro da área, tanto que Felipão já pediu sua renovação de contrato até o final do ano. E o segundo se destaca pela velocidade. Durante boa parte do Paulista e da Copa do Brasil, Maikon foi uma espécie de talismã do treinador. Em todo jogo que entrava, ajudava com gols, boas jogadas e maior movimentação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.