Ataque do Barça para em barreira inglesa

Espanhóis pressionam o jogo todo, mas Chelsea surpreende com esquema defensivo e com goleiro Cech inspirado; decisão fica para duelo em Londres

BARCELONA, O Estadao de S.Paulo

29 de abril de 2009 | 00h00

Foi um duelo de ataque contra defesa. Mas assim, fiel à sua proposta de não sofrer gols diante de um dos ataques mais poderosos do mundo, o Chelsea segurou o Barcelona e empatou sem gols no Camp Nou, ontem, na partida de ida da semifinal da Copa dos Campeões. A decisão ficou para o duelo da próxima quarta-feira no Stamford Bridge, em Londres. O Barcelona tem a vantagem do empate, desde que com gols. Um novo 0 a 0 leva a definição da vaga para a prorrogação. O Chelsea precisa da vitória.Depois de ter garantido na véspera que seu time não seria surpreendido como o Bayern de Munique, no duelo em Barcelona, o técnico Guus Hiddink escalou o Chelsea todo na defesa, apenas com Drogba na frente. "Foi uma grande conquistacontra uma equipe que joga um futebol tão bonito. Messi foi bem neutralizado", comemorou o técnico do Chelsea, Guus Hiddink. "Pode acontecer numa noite, mas penso que não acontecerá duas vezes", disse, mostrando menos otimismo.O Barça, como era previsível, atacou desde o início. Eto''o, Messi, Henry e Iniesta obrigaram Cech a trabalhar bastante no primeiro tempo. A pressão espanhola era tanta que o zagueiro Alex e o meia Ballack, do Chelsea, terminaram o primeiro tempo com cartão amarelo.Na segunda etapa, o Barcelona continuou determinado a vencer, e o time inglês manteve sua proposta defensiva. Agora, porém, tentando ousar um pouco mais nos contra-ataques. Teve até um boa chance, em cabeceada de Ballack, aos 2 minutos.O Barcelona continuou insistindo. Eto?o também teve chance de marcar ao fazer grande jogada individual, que terminou com defesa de Cech. E, no final, as melhores oportunidades estiveram nos pés de Bojan e Hleb, ambos culminando também em defesas incríveis do goleiro do time inglês."O Chelsea foi muito cauteloso, marcando com seis defensores. Nunca é fácil jogar quando os rivais não o fazem", lamentou Guardiola, técnico do time espanhol.Além de precisar vencer fora de casa, o Barcelona ainda ganhou problemas para a próxima partida. O zagueiro Rafa Márquez deixou o campo com uma lesão no joelho esquerdo. Puyol, seu substituto ontem, recebeu amarelo e também é desfalque. O QUE ELES DISSERAMGuus Hiddinktécnico do Chelsea"Foi uma grande conquista contra um time contra uma equipe que joga um futebol tão bonito. Messi foi bem neutralizado. Pode acontecer numa noite, mas penso que não acontecerá duas vezes"Josep Guardiolatécnico do Barcelona"O Chelsea foi muito cauteloso, marcando com seis defensores. Nunca é fácil jogar quando os rivais não o fazem"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.