Ataque espanhol tem a missão de comprovar fama

Fúria fez só dois gols, ambos contra Honduras. Agora, fala em sufocar os chilenos - não foram vazados - desde o início

, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2010 | 00h00

PRETÓRIA

A Espanha promete atacar o Chile desde o primeiro minuto no jogo de hoje em Pretória. O milionário elenco espanhol está insatisfeito com a produção nos dois primeiros jogos, quando foram marcados apenas dois gols, ambos na vitória sobre a fraquíssima Honduras.

"Temos de melhorar nosso aproveitamento. E precisa ser já contra o Chile", disse o goleiro Iker Casillas. O atacante David Villa, autor dos gols contra os hondurenhos, concorda com as críticas. "Faltou precisão em várias finalizações", disse o jogador, que naquele jogo desperdiçou um pênalti, ao chutar a bola para fora. Seu companheiro de ataque, Fernando Torres, é mais ameno. "O mais importante é que estamos melhorando a cada jogo. Tenho certeza de uma grande atuação, que resultará na nossa classificação para as oitavas."

Na estreia da Espanha, diante da Suíça, a equipe desperdiçou muitos gols e acabou surpreendida, perdendo por 1 a 0. O volante Xavi - gostou da apresentação do time naquela partida - não acredita que o Chile vá alterar seu estilo, apesar de o empate garantir o primeiro lugar no grupo aos sul-americanos. "Eles atuam com três atacantes, assim como nós. É muito complicado mexer taticamente. Acho que será um duelo aberto." Segundo o jogador do Barcelona, a seleção espanhola terá de tocar bastante a bola para encontrar os espaços necessários para as jogadas de ataque. "Ao mesmo tempo em que o Chile ataca, ele sabe se defender muito rapidamente. Não poderemos ser lentos na armação."

Do lado chileno, o zagueiro Esteban Paredes mostra respeito pelos espanhóis, mas ressalta a boa fase do setor defensivo, que ainda não sofreu gols no Mundial. "Nosso time é ofensivo, mas quando perde a bola todos ajudam na marcação. Isso nos dá uma segurança e uma confiança muito grande para o difícil confronto com a Espanha." / W.B. Jr.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.