Atenas já voltou ao normal

Atenas desta terça-feira não era mais a mesma de dois dias antes. Bastou o fim dos Jogos Olímpicos para que aquela brilhante máscara fosse retirada da face da cidade. Em poucas horas, pode-se notar uma série de diferenças, como a presença - antes não vista - de mendigos, a ausência de policiais nas ruas e um trânsito de provocar ´inveja´ em qualquer paulistano.Durante o maior evento esportivo do planeta, a capital grega tratou de atender bem os turistas e torcedores e, claro, preocupou-se em dar uma retocada na maquiagem. Um exemplo: era de chamar a atenção o trabalho dos policiais nas avenidas, não só no quesito segurança. O trânsito fluía, apesar do grande movimento, pois esquemas especiais foram armados para melhorar a condição dos motoristas e visitantes dos Jogos. Não há mais nada disso.Muitos dos homens que cuidavam da segurança desapareceram, não são vistos mais nas ruas com tanta facilidade como antes. E os congestionamentos surgiram com grande intensidade. É importante ressaltar, porém, que um aspecto contribuiu para esse quadro: a volta às aulas, ocorrida na segunda-feira em boa parte dos países europeus.Curioso, também, foi o retorno dos mendigos às calçadas. Não apareciam de jeito nenhum na época da realização das competições. Pouca gente deve tê-los observados. Nos últimos dois dias, porém, não foi preciso muito esforço. Uma passada no centro, nas ruas do comércio, e lá estão eles pedindo um trocado. E a maioria, bem preparada para abordar os turistas e, sem constrangimento, ainda arrisca falar um pouco de inglês.Mesmo assim, Atenas não deixa de ser uma cidade encantadora e extremamente atraente para os turistas. Os comerciantes comentam que, com a Olimpíada, as vendas aumentaram, é verdade, mas não de forma tão marcante. A explicação é simples. Não há tanto o que aumentar, porque o movimento é ótimo durante toda a temporada, principalmente no verão, como agora.Roubo - Embora satisfeitos com os resultados da Olimpíada, organizada, sem ataques terroristas e com poucos problemas, dirigentes do Athoc (Comitê Organizador dos Jogos de Atenas) ficaram furiosos com o sumiço de cerca de 50 telefones do Main Press Center, o principal centro de imprensa do evento, na madrugada de segunda-feira, após a cerimônia de encerramento. Eles teriam sido levados, dentro de sacolas ou mochilas, por pessoas que trabalhavam no local. As suspeitas recaem sobre funcionários de empresas jornalísticas.Para evitar novos danos, os voluntários e seguranças revistaram todos os jornalistas que deixavam o Main Press Center na noite de segunda-feira, visivelmente constrangidos. O que não faltou foi reclamação por parte dos repórteres que nada tinham a ver com o incidente.Novos moradores - Com o fim dos Jogos, a Vila Olímpica, que abrigou mais de 16 mil pessoas, entre atletas, técnicos e dirigentes, entre 2.292 apartamentos e 8.814 quartos, passará a ser a moradia de cerca de 2.500 famílias. Os investimentos para a construção do local giraram em torno de 240 milhões de euros. Os centros de imprensa já estão praticamente desativados e as vilas de imprensa, habitação dos jornalistas durante a Olimpíada, quase vazias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.