Atleta diz que equipe de apoio foi importante

Natália Falavigna não ganhou sozinha a medalha de bronze em Pequim. Ela fez questão de elogiar o trabalho de uma equipe de 30 pessoas que estiveram todo o tempo ao seu lado durante a preparação para a Olimpíada. "Tenho dois técnicos, fisioterapeuta, fisiologista, avaliador físico, psicólogo e uma turma de mais de 20 atletas que me ajudam nos treinos", disse, emocionada, a atleta. E ainda revelou um segredo. "Depois do Pan do Rio, passei por um trabalho de biomecânica. Perdi peso e ganhei massa muscular." Natália foi vice-campeã no Pan e terceira no Mundial de Pequim, competições realizadas no ano passado.A atleta afirmou que lutou na China de forma mais rápida, forte e ágil. "Tive uma estrutura de primeiro mundo. Peguei exemplo de vencedores e o levei para pessoas competentes. Aí não tem segredo. É só treinar bastante que o resultado chega." Natália disse que as condições de treinamento para o tae kwon do no Brasil estão melhorando, mas ainda podem atingir patamar superior. "As coisas estão mudando aos poucos, mas está havendo uma evolução constante. Temos um longo caminho pela frente e vamos conseguir colher resultados em um futuro próximo." O técnico Fernando Madureira concorda com a Natália, mas espera que o intercâmbio seja maior. "Vamos iniciar o ciclo olímpico para Londres no ano que vem e não repetir como foi feito para Pequim, quando tivemos apenas dois anos de preparação."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.