Paloma Rita
Paloma Rita

Surfista negra pioneira no País promove a inclusão em Pernambuco

A ex-atleta Nuala Costa, uma das primeiras surfistas negras do País, criou o coletivo antirracista TPM (Todas para o Mar)

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

07 de novembro de 2021 | 05h00

No final de novembro, o coletivo feminista e antirracista TPM (Todas para o Mar) vai promover um evento para a inclusão de 50 adolescentes e crianças, brancas e negras, no surfe feminino das comunidades de Maracaípe (PE), uma das principais rotas de competições surfe na região Nordeste.

Pioneiro ao oferecer diversas modalidades e categorias, o encontro pretende garantir visibilidade para o surfe feminino, especialmente para negras e nordestinas, promovendo a democratização do esporte. Meninas que integram projetos sociais não pagam a inscrição e hospedagem.

O encontro é organizado por Nuala Costa, primeira negra a representar profissionalmente o estado nos torneios nacionais e uma das primeiras brasileiras a competir no circuito internacional. “Não consegui seguir na minha carreira por causa da falta de apoio. Quero que seja diferente para as meninas que estão começando”.

Nuala reclama de falta de apoio financeiro das grandes marcas, inclusive para a organização de eventos. “As mulheres continuam sem oportunidade e sem patrocínio para competir. Também é difícil organizar eventos de surfe feminino. Não existe apoio. Temos de fazer vaquinhas para pagar os juízes”, por exemplo". 

A ex-surfista atribui ao racismo estrutural as dificuldades para conseguir apoio. “As marcas buscam padrões que não são nacionais, que não são nossos. Muitos atletas não estão nesses padrões. Somos um país miscigenado, sem padrões”.

Tudo o que sabemos sobre:
feminismoracismosurfe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.