Jane Rosenberg / Reuters
Jane Rosenberg / Reuters

Atleta que participou de três Olimpíadas se declara culpado no caso de invasão ao Capitólio

Klete Keller, 39, enfrenta uma sentença de prisão de até 20 anos, mas o primeiro invasor do Capitólio a se declarar culpado pelo mesmo motivo foi sentenciado a oito meses

Kevin Draper, The New York Times

01 de outubro de 2021 | 12h00

Klete Keller, um nadador americano que participou de três Olimpíadas, declarou-se culpado na quarta-feira de uma acusação de crime relacionada ao seu papel na invasão do Capitólio no dia 6 de janeiro com a intenção de interromper a certificação do voto do Colégio Eleitoral.

Keller foi indiciado por sete acusações, mas como parte de um acordo com os promotores ele se declarou culpado de uma acusação de obstrução de um procedimento oficial no Congresso no Tribunal Distrital dos EUA em Washington. Como parte do acordo, Keller prometeu ajudar na aplicação da lei em qualquer investigação contínua relacionada ao ataque ao Capitólio.

Mais de 600 pessoas relacionadas aos eventos de 6 de janeiro foram presas, mas Keller era um dos mais reconhecíveis, por causa de sua altura e pelo fato de estar usando uma jaqueta da equipe olímpica americana com a inscrição “USA” nas costas.  

Segundo sua alegação, Keller ficou cerca de uma hora no prédio do Capitólio no dia 6 de janeiro. Ele xingou a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e Chuck Schumer, o líder da maioria no Senado; tirou fotos e fez vídeos; e “sacudiu seu cotovelo” para evitar ser pego pelos policiais que estavam tentando tirá-lo do prédio, de acordo com a alegação. Depois ele destruiu o telefone e o cartão de memória que estava com ele, de acordo com a alegação, e jogou fora a jaqueta que o tornou tão reconhecível.

Nenhuma data para a sentença foi estabelecida. A acusação implica uma sentença de até 20 anos de prisão, mas o primeiro invasor do Capitólio a se declarar culpado da mesma acusação foi sentenciado a oito meses.

Keller, 39, competiu em nado livre nas Olimpíadas de 2000, 2004 e 2008. Ele ganhou cinco medalhas ao todo, incluindo duas de ouro em revezamentos, a mais memorável em Atenas, em 2004, quando a equipe masculina americana ganhou da aparentemente imbatível equipe australiana no revezamento 4x200 metros livres.

Mas Keller lutou para fazer uma transição para a vida além da natação, de acordo com seus amigos, família e ex-colegas de equipe que falaram com o New York Times. Ele e sua esposa divorciaram-se e brigaram pela custódia de seus três filhos, e por quase um ano Keller morou em seu carro. Durante o ano de 2020, suas contas em redes sociais, agora apagadas, mostravam um foco crescente em política e uma forte lealdade ao ex-presidente Donald Trump. Em novembro passado, enquanto trabalhava para uma imobiliária em Colorado Springs, ele viajou a Washington para um comício pró-Trump chamado Million MAGA March.  

Dois meses depois veio a viagem que levou Keller a gritar na rotunda do Capitólio com centenas de outras pessoas. Ele foi preso na semana seguinte e saiu da prisão através de um acordo de reconhecimento pessoal. Keller não disse quase nada publicamente além de algumas palavras no tribunal, e a alegação de quarta-feira foi a explicação mais longa que ele deu sobre suas ações em 6 de janeiro e suas razões para estar no Capitólio.

O advogado de Keller, Edward B. MacMahon Jr., não respondeu imediatamente a uma mensagem telefônica deixada na quarta-feira. /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES 

Tudo o que sabemos sobre:
nataçãoDonald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.