Atletas argentinos buscam segurança

A pivô Karina, de 29 anos, da Unimed/Americana, que já fez a sua opção quando naturalizou-se cidadã brasileira (vive no País desde 1988), voltou da visita e das festas de fim de ano, em Buenos Aires, feliz por estar morando em São Paulo - apesar das dificuldades de patrocínio no basquete feminino nacional -, mas preocupada com a mãe, Ângela, e o irmão Daniel, e com a situação da Argentina que descreveu como "guerra civil". O levantador Weber, da seleção argentina de vôlei, pensa em seguir o caminho da pivô, fixar residência no Brasil, e ainda trazer a família. Não apenas por causa do vôlei, mas principalmente assustado com a crise econômica e política que vive o seu país.Leia mais no O Estado de S. Paulo

Agencia Estado,

17 de janeiro de 2002 | 10h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.