Atletas criticam piso e poluição na estréia do Ninho de Pássaros

Estádio mais badalado dos Jogos recebe 1.º evento, a marcha atlética, vencida por australiano

O Estadao de S.Paulo

19 de abril de 2008 | 00h00

Os marchadores, primeiros atletas a experimentar a pista do Estádio Nacional de Pequim, mais conhecido como Ninho de Pássaros, reclamaram do piso na área externa da praça de esportes que será o coração dos Jogos Olímpicos. A prova de marcha atlética teve 20 quilômetros de extensão, reuniu 50 participantes e foi vencida pelo australiano Jared Tallent, de 23 anos. "Esse piso é muito duro para as pernas, causa dores, em razão de ser de concreto. Não estamos acostumados com ele, já que 90% das vezes competimos sobre asfalto", disse o primeiro vencedor no Ninho de Pássaros, com o tempo de 1h20min11.Lá serão realizadas as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos, bem como as provas do atletismo. Custou a bagatela de US$ 380 milhões (R$ 640 milhões). O atleta chinês Wang Hao, de 18 anos, segundo colocado com 1min20s25, disse sentir-se emocionado com a experiência. "Que emoção correr onde será realizada a Olimpíada." Mas como seus colegas não poupou o piso do entorno do estádio, ao menos para o tipo de competição que participa. "Nunca havia corrido sob superfície tão dura." O medalhista de bronze no último Mundial, o tuneziano Hatem Ghoula, o definiu como "perigoso".Jared Tallent estava muito feliz com sua primeira vitória internacional importante. "O certo é que tenho que fazer tudo de novo em agosto." Tallent comentou não ter se incomodado com a qualidade do ar, diferentemente do terceiro colocado, o mexicano Eder Sánchez. "Depois de 15 quilômetros, meus olhos estavam irritados e minha garganta doía." Sánchez comparou a má qualidade do ar ao da Cidade do México, famosa também pelo elevado índice de poluição."Vamos levar todos os problemas observados na competição para os responsáveis pelo estádio, para isso serve um teste", declarou Chen Shuxu, porta-voz do Ninho de Pássaros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.