Atletas da seleção dão o tom de equilíbrio do torneio

Dos 14 jogadores que ganharam o Mundial, 11 estarão divididos entre os times da competição, que começa no dia 6

Ana Paula Garrido, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2010 | 00h00

Competição acirrada. Esta é a palavra que define a temporada 2010/2011 da Superliga Masculina, segundo os próprios jogadores, presentes ontem no lançamento do torneio, que começa no dia 6 de novembro. "Em uma rodada você pode estar em 3.º ou em 9.º. Não se pode perder para ninguém", comentou Giba, do Pinheiros.

O equilíbrio do campeonato se deve ao alto investimento dos clubes, responsáveis por repatriar e manter a maioria dos campeões olímpicos e mundiais no País. Dos 14 atletas que conquistaram o tricampeonato do mundo na Itália, 11 brigarão por mais um título, agora em lados opostos. Já na terceira rodada, o levantador Bruninho, do Cimed, enfrentará o ataque de Lucas e Vissotto, jogadores do Vôlei Futuro. A equipe de Araçatuba, aliás, investiu pesado na contratação de talentos. Que o diga o levantador Ricardinho, campeão pela seleção na Olimpíada de Atenas. "São jogadores acostumados a ganhar. Pode ter medo que o time está montado para conquistar títulos", avisou.

O aguardado confronto entre os companheiros de seleção deve reservar momentos de descontração, como também de intensa rivalidade. "É legal, dá para brincar um com outro. É um nível que a gente gostaria de ter o tempo todo", disse Murilo, do Sesi. "Ter esse conhecimento da convivência ajuda bastante. Mas todo mundo quer ganhar e o bicho vai pegar", garante Giba.

Competitividade é o que não faltará entre as 15 equipes. Mesmo os clubes sem atletas da seleção e com pouca tradição no cenário nacional impõem respeito na Superliga. O BMG/Montes Claros é um deles. Em sua segunda participação, chega com moral por causa da medalha de prata conquistada na edição anterior - o ouro ficou com o Cimed.

Na fase classificatória, todos jogarão contra todos. Os oito melhores avançam para as quartas de final, com disputa em melhor de três partidas. As semifinais também serão realizadas com playoff de três jogos. A final será em Minas, independentemente de quem se classificar.

AS EQUIPES

BMG/ Montes Claros (MG)

BMG/ São Bernardo (SP)

Cimed (SC)

Fatima/Medquímica (RS)

Londrina/Sercomtel (PR)

Medley Campinas (SP)

Pinheiros/Sky (SP)

Sada Cruzeiro Vôlei (MG)

Santo André/Spread (SP)

São Caetano/Tamoyo (SP)

Sesi-SP (SP)

Soya/Blumenau (SC)

Vivo/Minas (MG)

Vôlei Futuro (SP)

Volta Redonda (RJ)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.