Atletas de ponta abrilhantam a Superliga

A partir de quarta, feras da seleção estarão de volta às quadras do País

Rafael Vergueiro, estadao.com.br, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2008 | 00h00

Imagine o alvoroço que tomaria conta do País se, para a disputa do próximo Campeonato Brasileiro, estrelas como Kaká, Robinho e Ronaldinho Gaúcho fossem contratadas para jogar em grandes clubes do Brasil. O cenário inimaginável para a atual situação do futebol nacional é realidade no vôlei. Cobertura completa da SuperligaA edição 2008/2009 da Superliga, competição mais importante do vôlei brasileiro, com início marcado para quarta-feira, tem como principal atrativo a presença de atletas que estiveram nos Jogos de Pequim. Além da permanência dos que já estavam por aqui, outros foram repatriados.No feminino, o campeonato contará com a participação de nove medalhistas de ouro. O Rexona/Ades (RJ), do técnico Bernardinho, atual tricampeão, manteve a líbero Fabi e a meio-de-rede Fabiana, que acredita em um torneio bastante disputado. "A Superliga este ano vai ser bem mais forte do que as anteriores." Para ela, o interesse do público vai crescer. "Muitas jogadoras que as pessoas gostariam de ver em ação estavam fora e, agora, acho que os ginásios vão ficar cheios."O principal responsável por trazer de volta integrantes da seleção que estavam fora do Brasil é o São Caetano/Blausiegel (SP), que pretende ser um "intruso" na batalha travada nos últimos anos entre Rexona e Finasa/Osasco (SP). Além da ponta Mari e da oposto Sheilla, o time trouxe a veterana Fofão. "É o que sempre desejamos: ter uma Superliga forte", afirma a levantadora, de 38 anos.Já o Finasa manteve a ponta Paula Pequeno e a levantadora Carol Albuquerque - e ainda tirou do rival Rexona a meio-de-rede Thaísa e a ponta Sassá.No masculino, a Superliga promete ser ainda mais equilibrada. Sete jogadores que foram a Pequim disputarão o torneio por cinco equipes. O Cimed/Brasil Telecom (SC), atual campeão, manteve o levantador Bruninho. Já o Vivo/Minas (MG), maior vencedor de todos os tempos com quatro títulos e vice na última temporada, trouxe dois reforços: o oposto André Nascimento e o meio-de-rede André Heller. O Unisul/Joinville (SC) foi buscar na Grécia o levantador Marcelinho e contratou o oposto Anderson. O Santander, de São Bernardo (SP), repatriou da Itália o líbero Serginho e o levantador Marlon, que não foi à Olimpíada, mas disputou a última Liga Mundial. Já o Ulbra/Suzano (SP) terá como novidade o oposto Samuel. Dante, Giba, Gustavo, Murilo e Rodrigão seguem no vôlei europeu, assim como as medalhistas de ouro Jaqueline, Walewska e Valeskinha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.