Atletas deverão sofrer com mau cheiro na Vila Olímpica

O mau cheiro será mais um adversário a ser superado pelos 5.500 atletas que participarão dos Jogos Pan-Americanos do Rio, a partir de 13 de julho, durante a estada na Vila Pan-Americana. O secretário municipal de Obras e Serviços Públicos, Eider Dantas, admitiu nesta quarta que se a Unidade de Tratamento de Rio (UTR) a ser construída não ficar pronta, produtos químicos serão utilizados para amenizar o odor fétido do canal Arroio Fundo, que contorna a construção. Em seguida, também confirmou a privatização do Estádio João Havelange, após as disputas. ?Temos hoje produtos químicos que não atingem o meio ambiente e diminuem o odor. Mas, em qualquer lugar que a gente fique por mais de três horas, logo nos acostumados com o cheiro. Seja ele bom ou ruim?, disse o secretário municipal de Obras. ?É um gol contra para o Rio. Mas fazer o quê?? De acordo com o secretário, a UTR pode demorar a ficar pronta, por causa do impasse que envolveu a prefeitura e o governo federal para o repasse da verba de urbanização da Vila Pan-Americana. Os R$ 53 milhões que deveriam ter sido depositados no ano passado só ficaram disponíveis neste mês, por causa de entraves jurídicos envolvendo o município. A princípio, a delegação dos Estados Unidos, que se hospedará no prédio ao lado do rio, será a principal afetada pelo mau cheiro. O local foi escolhido justamente porque, em caso de evacuação da Vila, os atletas norte-americanos teriam, no canal, mais uma opção de fuga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.