Oli Scarff/AFP
Oli Scarff/AFP

Atletas espanhóis se manifestam por referendo na Catalunha

Pep Guardiola quer que a vontade dos catalães prevaleça; já Rafael Nadal quer que a Espanha permaneça unida

ANSA

21 de setembro de 2017 | 16h22

Após o Parlamento catalão aprovar a convocação de um referendo separatista e a medida causar um clima de tensão na Espanha, atletas espanhóis se pronunciaram sobre a votação marcada para o dia 1º de outubro. Atualmente técnico do Manchester City, o catalão Pep Guardiola, que fez história como jogador e treinador no Barcelona, pediu que seja respeitada a democracia.

"Os cidadãos da Catalunha demonstraram mais uma vez a sua civilização. Nestas situações, não é fácil se controlar e eles o fizeram. Estamos em boas mãos, as pessoas que nos conduzem farão o que a gente pede", ressaltou.

Uma das vozes mais importantes no meio do esporte na Catalunha, Pep afirma querer apenas que a opinião dos catalães seja respeitada. "O que nós pedimos, e imagino que o mundo inteiro e toda a Europa saibam, é votar, porque não pedimos independência. Não se trata de independência, mas de democracia", acrescentou Guardiola.

Por sua vez, a maior estrela do tênis espanhol na atualidade, Rafael Nadal, foi na contramão do técnico de futebol. O líder do ranking mundial da ATP disse que "não imagina a Catalunha sem a Espanha" e apelou ao diálogo para resolver a situação. "Amo a Catalunha e sinto-a como Espanha. Não imagino a Catalunha sem a Espanha", declarou o tenista, que se encontra em Praga para participar na primeira edição da Copa Laver.

De acordo com Nadal, a situação na Catalunha "é séria e triste", e ele considera que a Espanha "está melhor junta e assim será mais forte". "É preciso falar. Não quero lutas".

No início da semana, o clube Barcelona também se manifestou em um comunicado oficial dizendo que "permanece fiel à sua dedicação histórica de defesa da nação, da democracia, da liberdade de expressão". Desta forma, "condena todo e qualquer ato que possa impedir o livre exercício desses direitos". O clube catalão ainda afirmou que "continuará a apoiar a vontade da maioria do povo catalão e fará de modo civilizado, pacífico e exemplar", finalizou o texto.

Nesta semana, em mais uma tentativa de impedir o referendo de independência, a polícia espanhola deflagrou uma operação e prendeu 14 pessoas, a maioria ocupantes de cargos de alto escalão do governo catalão. Além disso, o governo de Madri afirmou em comunicado oficial que "não haverá referendo". Milhares de pessoas tomaram as ruas de Barcelona para protestar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.