Miguel Schincariol/AFP
Miguel Schincariol/AFP

Atletas olímpicos divulgam carta e reforçam apoio às investigações

'Não devemos fechar os olhos para o ilícito', diz um trecho; documento coletivo dos esportistas visa evitar retaliação

Catharina Obeid e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2017 | 19h36

Dezenas de atletas olímpicos brasileiros se articularam para escrever uma carta sobre a situação do esporte nacional a prisão temporária de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Organizador Rio-2016. Para evitar possíveis retaliações de dirigentes, os esportistas preferiram não dar suas opiniões individualmente e sim divulgar uma declaração conjunta.

PF prende Carlos Arthur Nuzman e ex-diretor do COB no Rio

Imprensa internacional dá destaque para prisão de Nuzman

+ COI inicia investigação e admite suspender Nuzman

+ Comitê organizador deve mais de R$ 120 milhões a fornecedores

O que daria para comprar com as 16 barras de ouro 'escondidas' por Nuzman?​

A Comissão de Atletas se mobilizou desde as primeiras horas da manhã, por telefone e redes sociais, a fim de colocar o ponto de vista de quem é afetado diretamente pela situação do esporte olímpico no País. São 19 membros que representam os outros atletas brasileiros nesta comissão que foi criada em 2009.

No documento, os atletas manifestam apoio total às investigações e pedem que não se faça confusão entre o COB e seu dirigente, reforçando que a atuação de Nuzman não pode manchar a entidade. Por fim, os esportistas esperam que os escândalos no movimento olímpico brasileiro não apaguem o brilho dos Jogos Olímpicos realizados no Rio.

Confira a nota na íntegra:

A Comissão de atletas do Comitê Olímpico do Brasil vem através desse documento expressar total apoio às operações que buscam transparência na gestão das entidades esportivas brasileiras. Não devemos fechar os olhos para o ilícito e é nosso dever como qualquer cidadão brasileiro, proteger e preservar o bom funcionamento do nosso País.

Gostaríamos também que fosse separado a instituição (COB) do Sr. Carlos Arthur Nuzman e que fique à cargo da Polícia Federal e da Justiça brasileira fazerem toda denúncia, investigação e condenação de seus atos praticados.

Gostaríamos ainda que os Jogos do Rio-2016 não sejam lembrados somente por esse escândalo ou outro problema qualquer, mas sim pelo desempenho e pelas conquistas dos atletas brasileiros nas arenas e ginásios olímpicos. Isso deve ser o nosso legado para as crianças e uma prova que o esporte sempre será um dos melhores caminhos para o desenvolvimento humano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.