Atletas paraolímpicos esperam prêmio

O Comitê Paraolímpico Brasileiro prometeu recompensa em dinheiro por medalha conquistada na Paraolimpíada de Atenas - a delegação do Brasil conseguiu 33 no total, sendo 14 de ouro, 12 de prata e 7 de bronze. A competição terminou em setembro e os atletas ainda estão à espera do prêmio.Os medalhistas confirmam a promessa que ouviram em Brasília, antes de seguirem para a Grécia. O presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), Vital Severino Neto, diz que "não é verdade". Mas confirma que, com a suspensão do programa de incentivo mantido pela entidade - "será reestruturado" -, os atletas estão sem auxílio financeiro desde dezembro."O CPB prometeu um prêmio por medalha, mas não havia nada por escrito. Quando voltamos de Atenas, achamos que o prêmio sairia logo. Agora, estão dizendo que sai no fim do mês. Estou cauteloso com essa coisa de dinheiro. Só acredito vendo", afirma o nadador Clodoaldo Silva, dono de seis medalhas de ouro e uma de prata nos Jogos de 2004."Um dia dizem que sai esta semana. No outro, que sai na semana que vem. Também cortaram o incentivo. Só tem a promessa do presidente", revela o judoca Antônio Tenório, ouro em Atenas. "Estava demorando para alguém denunciar essa situação.""O prêmio foi prometido, o Comitê disse que pagaria, mas não quanto nem quando. Estou esperando", conta o nadador Luís Silva, ouro e prata na Grécia, preocupado por não receber os R$ 2,5 mil do incentivo há dois meses.Segundo Severino, o CPB pagou esse incentivo entre 2001 e 2004, mais um adicional a partir das medalhas ganhas nos Jogos de 2000 (R$ 3 mil para ouro, R$ 1,8 mil para prata e R$ 1,2 mil para bronze). O adicional foi suspenso em setembro, após os Jogos de Atenas, mas o incentivo, em parceria com a Caixa Econômica Federal e a Visa, seguiu até dezembro. Desde então, os atletas não recebem nada da entidade.Quanto ao prêmio por pódio em Atenas, Severino desmente os atletas. "Nada foi prometido. Numa concentração, em Brasília, dissemos que estávamos procurando um parceiro para dar os prêmios", explica. O dirigente conta que o CPB não conseguiu apoio e, em comunicado oficial, divulgado em seu site em novembro, informou aos atletas que estudaria como pagar a premiação.Severino frisa que é possível até pagar o prêmio parceladamente - os atletas podem ter esperança, garante. Mas lembra que não pode fazer nada agora por causa do processo eleitoral. A eleição no CPB será no dia 28 e três das quatro entidades que formam o pequeno colégio eleitoral apresentaram um candidato de oposição.

Agencia Estado,

11 de fevereiro de 2005 | 00h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.