Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

'Atletas pelo Brasil' pede maior participação no novo estatuto do COB

Entidade quer que atletas participem das decisões e promete agir se as mudanças não forem satisfatórias

Marcio Dolzan/Rio, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2017 | 17h49

Uma das principais entidades que representam atletas no País está insatisfeita com a forma como está sendo tratada a mudança de estatuto do Comitê Olímpico do Brasil (COB). A Atletas pelo Brasil questiona a maneira como a comissão estatuinte foi escolhida e o prazo dado para a conclusão dos trabalhos. Além disso, a organização já avisou que não abre mão de uma maior participação de atletas nas decisões do COB e promete agir caso as mudanças fiquem aquém do esperado.

+ 'No COB, não vai passar nada que eu não saiba', diz Paulo Wanderley

+ Após 15 dias preso, Carlos Arthur Nuzman deixa a prisão no Rio

A comissão de reforma do estatuto é formada por quatro pessoas – os presidentes da Confederação Brasileira de Vela, Marco Aurélio de Sá Ribeiro, de Esgrima, Ricardo Machado, e de Atletismo, José Antônio Fernandes, além do presidente da comissão de atletas do comitê, o judoca Tiago Camilo. O grupo foi escolhido em assembleia do COB realizada no último dia 11, minutos após o ex-presidente da entidade, Carlos Arthur Nuzman, renunciar.

“O que a gente questiona, até pela questão da legitimidade, é implantarem uma estatuinte dessa forma, quais foram os critérios para a escolha e a pressa (para encerrar os trabalhos). A gente acredita que vai haver mudanças, mas queremos maior transparência”, disse ao Estado o presidente da Atletas pelo Brasil, o ex-jogador de futebol Raí Oliveira.

Ao ser escolhida a comissão, o presidente do COB, Paulo Wanderley Teixeira, pediu que a redação do novo estatuto fosse votada em até 45 dias. A assembleia geral do comitê deve aprovar o documento no próximo dia 22 de novembro.

“No período final estão convidando mais pessoas para debater, mas a gente acredita que o tempo e a maneira como isso é feito deveria ter uma discussão maior”, ressaltou Raí. “Poderia ser a Atletas pelo Brasil ou outra entidade, mas tinha que ser algo mais aberto, que envolvesse mais atletas, outros atores que já têm história de reivindicação no esporte.”

Na última quinta-feira, Gustavo Borges, Flávio Canto, Patrícia Medrado, Magic Paula e Ricardo Vidal se encontraram com a comissão e apresentaram as reivindicações da Atletas pelo Brasil. Eles pediram participação igualitária dos atletas nas eleições – atualmente, eles têm direito a um único voto num universo de mais de 40 – e flexibilização nas regras para inscrição de chapas.

Ao assumir o comando do COB, Paulo Wanderley admitiu que o processo eleitoral precisava ser reformado. Dentre as mudanças, apontou um prazo menor para inscrição de candidatos e criticou a exigência do apoio de pelo menos dez confederações para se inscrever uma chapa. Ao mesmo tempo, porém, demonstrou-se contrário à ideia de dar paridade de votos a atletas e presidentes de confederações.

Para Raí, o peso dos votos pode até ser diferente, mas não tanto quanto o atual. “A gente tem uma ideia de um processo mais igualitário, mas temos que reconhecer, até por determinação do comitê internacional, que mesmo peso talvez não seja possível. A gente quer que os atletas representem pelo menos 1/3 do colégio eleitoral, e que seja pelo menos um atleta por confederação”, destacou.

Ele disse ainda que os atletas querem mais espaço não apenas nas assembleias do COB, mas também nas instâncias de governança. A Atletas pelo Brasil defende a criação de um conselho de administração e fiscalização independente, formado por atletas, ex-atletas e pessoas não ligadas a confederações esportivas. “Tem que ser mais democrático. Esse movimento está crescendo, o interesse dos atletas que tem história, peso, opinião, está ficando cada vez maior.” Nesta quarta-feira, Raí e a diretora executiva da Atletas pelo Brasil, Louise Bezerra, irão ao COB para um novo encontro com a comissão de reforma do estatuto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.