Atlético celebra o 'gol da inteligência'

Mineiros descartam jogada ensaiada no lance de Ronaldinho e enaltecem astúcia do craque e a precisão de Marcos Rocha

GONÇALO JUNIOR, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2013 | 02h03

O primeiro gol do Atlético-MG na vitória sobre o São Paulo, por 2 a 1, quarta-feira, pela Taça Libertadores teve muita inspiração e pouca transpiração. "Não foi nada combinado. Não treinamos aquela jogada. Do jeito que o Ronaldo é, podemos esperar qualquer coisa dele. É muito inteligente", disse o atacante Jô, que completou a jogada para o gol.

Num átimo de esperteza, Marcos Rocha encontrou Ronaldinho Gaúcho sozinho na área antes da cobrança de um arremesso lateral. Gaúcho estava desmarcado porque, segundos antes, havia pedido água para o goleiro Rogério Ceni durante o atendimento médico a Júnior César. O camisa 10 resolveu ficar por lá mesmo, na área, como quem não queria nada. Marcos Rocha entendeu a deixa e fez o lançamento com as mãos. Ronaldinho cruzou para Jô marcar.

"Eu não teria a inteligência para raciocinar que era lateral e, por isso, não havia impedimento, e continuar a jogada daquela forma. Eu não teria imaginado isso", confessou o atacante.

O próprio Marcos Rocha, autor da cobrança do lateral, explicou o lance para os membros da comissão técnica. "Quando peguei a bola, pensei em lançar para o Tardelli. Ele até chegou perto e combinamos isso. Na sequência, eu vi o Ronaldinho sozinho, ele percebeu que o árbitro já tinha autorizado (o começo do jogo) fez um sinal e foi tudo muito rápido".

O lance rendeu elogios rasgados do técnico Cuca. "O Ronaldinho Gaúcho fez a diferença em dois lances (Gaúcho também fez a assistência para o segundo gol). Ele pensa e é muito inteligente. É um cara diferenciado".

A transpiração ficou por conta dos ensaios para uma jogada semelhante. Todos os jogadores já sabem que Marcos Rocha consegue transformar a cobrança de lateral em um cruzamento. Essa habilidade já foi explorada nos treinamentos e em vários jogos do Atlético para aproveitar a boa estatura dos zagueiros Réver e Leonardo Silva. Quando a bola sai pela lateral, nas proximidades da área, todos vão para a área. A novidade ontem foi sutil: em vez de cruzar, ele lançou Ronaldinho Gaúcho.

No mundo todo. O deslumbramento do treinador foi compartilhado por especialistas e jornalistas da versão online de alguns dos principais veículos do mundo todo. O jornal inglês The Sun, por exemplo, chamou o lance de "water joke" (algo como a pegadinha da água) e o classificou como um dos truques de maior genialidade da carreira de Gaúcho.

"A lenda do Brasil é mais conhecida por suas habilidades e truques, mas sua assistência para o começo da vitória do Atlético Mineiro, contra o São Paulo, foi certamente um de seus atrevimentos maiores na carreira", elogiou o diário inglês.

O argentino Olé fez um trocadilho com o nome do jogador e estampou "Avivadinho", fazendo alusões à "viveza criolla" do camisa 10. O Marca espanhol destacou a excelente partida de Ronaldinho Gaúcho: "Genialidade de Ronaldinho acaba com o São Paulo".

Não foi à toa que o The Sun mencionou outros atrevimentos do camisa 10. Só para citar um recente: pelo Campeonato Brasileiro de 2011, na célebre vitória do Flamengo sobre Santos, por 5 a 4, na Vila Belmiro, Ronaldinho Gaúcho fez um golaço ao cobrar uma falta rasteira enquanto todos os esperavam o chute no alto. A lista agora inclui o lance de quarta-feira. Qual será a próxima mágica?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.