Atlético-PR vai ao ataque no Paraguai para seguir vivo na Libertadores

O Atlético-PR precisa ir ao ataque nesta quarta-feira, no Paraguai, se quiser passar pelo Deportivo Capiatá e se garantir na fase de grupos da Copa Libertadores. Depois de um empate ruim por 3 a 3 no jogo de ida, em plena Arena da Baixada, o time brasileiro terá que ignorar o fator campo e propor o jogo para passar pelo adversário na terceira e última fase preliminar do torneio.

Gabriel Melloni, Estadao Conteudo

22 Fevereiro 2017 | 07h30

No confronto de ida, quarta-feira passada, o Capiatá surpreendeu, chegou a ser superior em alguns momentos e arrancou o empate por 3 a 3 nos minutos finais, mesmo com um jogador a menos. Pelos gols marcados fora de casa, os paraguaios podem empatar por 0 a 0, 1 a 1 e até 2 a 2 para avançar, o que deixa o Atlético-PR precisando quase que exclusivamente da vitória.

"A equipe tem que ser aquilo que ela é. Logicamente, vendo os pontos que o adversário é forte, precavendo-se. Para isso, é preciso estar concentrado, atento e com muita capacidade de reação ao que o adversário propõe ao jogo. Sabemos das dificuldades, mas sabemos também da força que temos. É uma oportunidade para definir bem o que queremos ser como equipe nesta temporada", declarou o técnico Paulo Autuori.

E para vencer, o time paranaense aposta na experiência de seus jogadores. Nomes como Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno, Lucho González, Carlos Alberto e Grafite já rodaram por diversos clubes grandes e estão acostumados a suportar pressão. Isso sem contar o goleiro Weverton, campeão olímpico com a seleção brasileira no Rio em 2016.

Na semana passada, o destaque do empate em casa foi Felipe Gedoz. O autor de dois gols naquele confronto, no entanto, não está confirmado para esta quarta. Isso porque Carlos Alberto se recuperou de lesão e pode ser escalado como titular, justamente na vaga de Gedoz. Outra possibilidade, menos provável, é a saída de Nikão.

Por outro lado, o Capiatá sabe que estará na fase de grupos da Libertadores se não sofrer gols em casa. Para o confronto desta quarta, o técnico Diego Gavilán, ex-jogador de Inter, Grêmio e Flamengo, não poderá contar com o meio-campista Hugo Lusardi, que se recupera de lesão, e o zagueiro Jorge Paredes, expulso na partida de ida.

Quem avançar deste confronto será o quarto integrante do difícil Grupo 4 da Libertadores, que já conta com Flamengo, Universidad Católica e San Lorenzo.

Mais conteúdo sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.