Atlético vai decidir o título com o Real Madrid

Empate com o Sevilla bastou para o time da capital. A final será disputada no dia 18 de maio em campo neutro

SEVILHA, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2013 | 02h06

A final da Copa do Rei será um clássico de Madri. O Atlético empatou ontem com o Sevilla por 2 a 2 e vai enfrentar o Real, que terça-feira calou 90 mil vozes no Camp Nou ao bater o Barcelona por 3 a 1. A final será dia 18 de maio, em local a ser definido pela Federação Espanhola. E existe uma boa chance de o jogo ser no estádio do Barça.

O Atlético não deu tempo para o Sevilla sonhar. Logo aos seis minutos o atacante brasileiro Diego Costa fez o primeiro gol, e aos 29 o colombiano Falcao Garcia fez 2 a 0. Como havia ganho em casa por 2 a 1, só seria eliminado se perdesse por 4 a 2.

A equipe da casa diminui o placar ainda no primeiro tempo com um gol de Navas, mas no segundo esteve mais perto de sofrer o terceiro do que de chegar ao empate e se animar a lutar por mais dois gols. Para piorar, o chileno Medel foi expulso aos 31 minutos por ter pisado em Diego Costa. No finalzinho, Rakitic empatou e Kondongbia foi expulso por também ter dado um pisão em Diego Costa.

O Atlético não derrota o Real Madrid desde o dia 30 de outubro de 1999. Nesse período foram disputados 24 clássicos, com 18 vitórias do Real e seis empates.

Antes da final da Copa do Rei os dois rivais se encontrarão no Campeonato Espanhol, em jogo da 33ª rodada marcado para o dia 28 de abril no Vicente Calderón, estádio do Atlético - que está em segundo lugar na competição com quatro pontos a mais do que o Real e 12 a menos do que o Barcelona.

Alemanha. O Bayern de Munique tirou um espinho da garganta ao derrotar ontem o Borussia Dortmund por 1 a 0 e avançar para as semifinais da Copa da Alemanha. O time não batia o rival há seis partidas, das quais havia perdido cinco - uma delas por 5 a 2, na final da edição passada.

O placar foi modesto diante da imensa superioridade do Bayern. Se não fossem as muitas defesas do goleiro Weindenfeller, o Borussia Dortmund teria voltado para casa com uma goleada nas costas.

O gol decisivo foi marcado pelo holandês Robben, que só foi titular porque o francês Ribéry cumpria suspensão.

E foi um gol com a sua marca registrada: pela direita, bateu de curva com o pé esquerdo e colocou a bola no canto direito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.