Atletismo brasileiro já está em Atenas

O triplista Jadel Gregório, destaque da equipe de atletismo do Brasil, já está em Atenas. A delegação brasileira levou 21 horas até a capital grega, em função de várias escalas (não há vôos diretos de todas as capitais da Europa), saindo de Huelva, na Espanha, onde treinou por 23 dias. Chegou na madrugada desta terça-feira e à tarde, todo o grupo já estava na pista de aquecimento do estádio Olímpico para um treino leve."O Jadel está totalmente focado aqui", garantiu o técnico Nélio Moura, dizendo que seu atleta decidiu, inclusive, não competir o Grand Prix de Zurique, prova da Golden League de alta premiação, que seria no último dia 6, por causa da Olimpíada. "Foi uma decisão dele e olha que ficar fora dessa prova é de doer", afirmou o treinador.Nélio explicou que Jadel estava com uma carga muito pesada de treinos nessa semana. "Ele já havia disputado o torneio de Londres com dificuldade por causa dos treinos. Foi buscar aquele salto de 17m33 na marra, porque estava perdendo até o fim", contou o técnico, acrescentando que as duas últimas semanas foram dedicadas ao polimento.Aos 23 anos, o triplista está tentando encarar a estréia olímpica como se fosse uma outra competição qualquer do circuito da Associação Internacional de Federações de Atletismo (Iaaf), na qual tem enfrentado todos os adversários que estarão no estádio Olímpico na sexta-feira - o salto triplo está no primeiro dia do programa de provas do atletismo. "É claro que nada é parecido com isso tudo aqui. Mas eu acho que ele vai ser capaz de encarar isso de maneira motivadora", revelou o treinador.Nélio inclui Jadel como um dos candidatos ao pódio, mas lembra que estão nela mais uma meia dúzia de triplistas, como o romeno Marian Oprea, o cubano Youandri Betanzos e o russo Dalila Burkenia, além do primeiro no ranking mundial e favorito ao ouro, o sueco Christian Olssos. Jadel Gregório ainda é o dono do segundo melhor salto do ano, com a marca de 17,32 metros. Está na Europa desde o dia 9 de junho, disputando os Grand Prix do circuito - competiu em Bergen, Gastehead, Roma, Paris, Estocolmo e Londres. O balanço: três medalhas de prata, dois terceiros lugares e um quarto. O melhor resultado, 17m37, foi com o segundo lugar em Paris, a 4 centímetros de Olsson (17m41).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.