Divulgação
Divulgação

Atletismo do Brasil vai ter delegação recorde na Olimpíada de 2016

Onze atletas alcançaram o índice nas competições do Troféu Brasil

Demétrio Vecchioli, O Estado de S. Paulo

17 de maio de 2015 | 17h37

Mesmo sem nenhum benefício por ser dono da casa, o atletismo brasileiro já sabe que terá uma delegação recorde nos Jogos do Rio-2016. Apenas no Troféu Brasil, encerrado ontem em São Bernardo do Campo (SP), 11 atletas alcançaram o índice mínimo para estar na próxima Olimpíada. Somando-se também as classificações obtidas anteriormente no Mundial de Revezamentos, nas maratonas e na marcha atlética, a delegação chega a pelo menos 36 atletas, igual àquela que foi aos Jogos de Londres. O período de tomada de índices, entretanto, vai até 5 de julho do ano que vem.

Apenas na tarde de quinta-feira, no primeiro dia do Troféu Brasil, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) anunciou que, na noite anterior, havia decidido adotar os mesmos critérios da Associação das Federações Internacionais de Atletismo (IAAF), aceitando para a Olimpíada marcas feitas a partir de 1.º de maio. Até então, os índices para a maioria das provas (exceto aquelas que exigem maior resistência física) precisavam ser feitos após 1.º de outubro deste ano.

Como fez finais do Mundial de Revezamentos, no início do mês, em todas as provas olímpicas, classificou as quatro equipes para o Rio. Só delas participarão 24 brasileiros, com a obrigação de utilização dos atletas que também correrão os 100m, 200m ou 400m rasos.

No Troféu Brasil, Ana Cláudia Lemos fez índice olímpico nos 100m e nos 200m, tendo a companhia de Rosângela Santos na primeira prova e de Vitória Rosa na segunda. Geisa Coutinho se garantiu nos 400m. Entre ou homens, Bruno Lins Aldemir Gomes correram abaixo do índice nos 200m e Henderson Estefani nos 400m com barreira. Este último também não entra na conta de credenciais individuais porque é membro do 4x400m.

Se mais de três atletas fizeram índice em uma determinada prova, vão à Olimpíada os três melhores tempos de um ranking que começou a valer em 1.º de maio e vai até 5 de julho do ano que vem. Por isso, quem fez índice não está obrigatoriamente garantido nos Jogos, exceto em casos como de Fabiana Murer, que não tem rivais brasileiras no salto com vara.

Keila Costa alcançou a marca mínima para ir à sua terceira Olimpíada no salto em distância, enquanto Andressa Oliveira se qualificou no lançamento do disco. Eder Souza, grande surpresa do Troféu Brasil, fez índice nos 100m com barreiras.

Além deles, também têm índice cinco maratonistas, sendo dois no masculino (Marílson Gomes, Solonei Rocha da Silva e Gilberto Silvestre Lopes) e duas no feminino (Adriana Aparecida da Silva e Marily dos Santos), além de três atletas da marcha atlética: Caio Bonfim (20km), Mario José dos Santos (50km) e Erica Rocha (20km).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.