Arquivo/Estadão
Arquivo/Estadão

Atletismo paulista muda formato de torneios para atrair mais público

Novo presidente da Federação Paulista, Mauro Chekin quer torneios curtos e com estrelas

Amanda Romanelli, O Estado de S. Paulo

27 de novembro de 2012 | 16h56

SÃO PAULO - Havia 20 anos e cinco torneios que o atletismo brasileiro não voltava dos Jogos Olímpicos sem uma medalha. O fracasso em Londres acendeu o sinal de alerta na modalidade e o novo presidente da Federação Paulista, Mauro Chekin, promete dar uma 'chacoalhada' no esporte.

O dirigente planeja, para 2013, um calendário que permita a participação de estrelas como a campeã olímpica Maurren Maggi e a campeã mundial Fabiana Murer, com torneios mais curtos, espalhados em todo o Estado, e opções de entretenimento para que o público acompanhe as provas.

"Temos uma meta muito importante, que é fazer do atletismo uma atração", afirma Chekin. "As competições são longas, duram um dia inteiro, com muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo. É difícil para os atletas, para quem assiste, para a televisão. Torna-se uma coisa enfadonha."

Por isso, o presidente, que tomou posse este mês, pretende realizar atrações paralelas às competições, como eventos culturais. Chekin, que foi atleta, técnico e secretário municipal de esportes de São Caetano do Sul por sete anos, substitui José Antônio Fernandes Martins, o Toninho, presidente eleito da Confederação Brasileira de Atletismo.

Para o dirigente, é preciso também ter respeito aos "artistas" brasileiros no atletismo - ou seja, os atletas de alto nível, que são os responsáveis por levar público às pistas e inspirar as futuras gerações a praticar o esporte. "Queremos criar o gosto na população pelo atletismo."

Na proposta de calendário que está sendo elaborada para a próxima temporada, a Federação Paulista pretende realizar torneios curtos, que não durem mais do que três ou quatro horas, e direcionados a algumas provas. "Já recebemos o calendário da CBAt e estamos montando o nosso."

Ele também pede a conscientização dos principais atletas do País, para que se esforcem em participar de provas estaduais. "Nossas estrelas precisarão se sacrificar um pouco. É uma doação necessária para o esporte evoluir."

De acordo com Chekin, atletas e técnicos já demonstraram boa vontade. "A Fabiana (Murer), por exemplo, disputou os Jogos Abertos, em Bauru, e criou um alvoroço. Isso é ótimo para o esporte." Mauro Vinícius da Silva, campeão mundial do salto em distância, também competiu, assim como Keila Costa, que já disputou três Olimpíadas. Todos venceram suas provas representando São Caetano do Sul. "Nossos atletas não têm frescura em atender o público, os jovens iniciantes. Isso é muito bom."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.