Amanda Perobelli
Amanda Perobelli

Atraso nas obras faz Baby Barioni 'perder' Jogos do Rio

Reforma do complexo esportivo ficará pronta apenas no final do ano

Demétrio Vecchioli e Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2017 | 17h00

A reforma do conjunto desportivo Horácio Baby Barioni foi iniciada em 2014 como plano de legado dos Jogos Olímpicos. A ideia era que o local servisse para preparação e treinamento de atletas e permanecesse como herança da Olimpíada para a população. Os Jogos já se foram faz tempo, mas uma das estruturas mais tradicionais da capital ainda está em obras, orçadas em R$ 27 milhões. A previsão agora é de que estejam prontas no fim do ano – o cronograma inicial dizia dezembro de 2015. Portanto, vai ser entregue mais de um ano após os Jogos do Rio.

Os administradores argumentam que o motivo do atraso foi a obtenção de licença ambiental. “Demoramos um ano e meio para conseguir a licença para cortar algumas árvores”, disse o diretor Urbano Sidney do Sacramento, ídolo do basquete brasileiro nos anos 1970. O processo de tombamento do ginásio principal do complexo também atrapalhou o cronograma, dizem os gestores.

Apesar de estar atrasada, a obra é cuidadosa e atual. As instalações são 100% acessíveis para atender dois objetivos básicos: aulas e cursos gratuitos à população e torneios oficiais. A preocupação com a acessibilidade convive com a arquitetura de 1940. A piscina, a primeira coberta e aquecida de São Paulo, conserva arquibancadas originais, por exemplo.

O Pacaembu também quer resgatar seu passado de glórias. Palco da cerimônia de abertura e encerramento dos Jogos Pan-americanos de 1963, o estádio apresenta uma nova piscina, alinhada às exigências da Federação Internacional de Natação. O objetivo é também oferecer aulas gratuitas aos associados, mas voltar a receber competições de alto nível e rendimento. “O município não fornecia aulas gratuitas de natação à população. O foco da reforma foi democrático, portanto. Se íamos fazer a reforma, por que não fazê-la dentro dos padrões internacionais?”, questiona Jorge Damião, atual secretário municipal de Esportes e Lazer.

A prefeitura vem realizando diversos workshops com representantes de federações e confederações para apresentar os diferenciais da piscina. A iniciativa foi bem-recebida, mas ainda não existem provas agendadas para este ano. As arquibancadas para 2 mil espectadores não recebem público desde o Sul-Americano de Polo Aquático de 2006. A piscina estava cheia na manhã de quarta-feira. Poucos usuários, porém, utilizaram o bloco de partida – plataforma na beirada da piscina de onde os competidores pulam na largada –, um dos diferenciais de piscinas oficiais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.